Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 18 de junho de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Manifesto no Senado reivindica Política Agrícola para o Brasil

10 Jul 2007 - 17h00
 

Durante um manifesto no Senado em homenagem ao ex-presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Antônio Ernesto de Salvo, falecido no último dia 29 de junho, a vice-presidente da entidade, senadora Kátia Abreu (DEM-TO) defendeu a implantação de uma política agrícola permanente e estável.

Em pronunciamento na presença de diversos presidentes das Federações de Agricultura dos estados, a senadora definiu sua proposta como "Política Agrícola Antônio Ernesto de Salvo”. “Propomos que se elabore e adote – finalmente, pois ela faz imensa falta – uma política agrícola nacional, com o estabelecimento de um conjunto de definições que garantam ao agricultor, dos grandes aos pequenos, orientação e segurança para plantar e colher, criar e multiplicar rebanhos, reconhecendo finalmente que a atividade rural no País não é um acidente econômico, mas um segmento vivo e permanente da sociedade brasileira”, enfatizou Kátia Abreu.

Entre os pontos de uma política agrícola consistente, a senadora citou o seguro de renda como “garantia mínima aos que produzem no campo”. Ela também mencionou aos senadores as mobilizações em que Antônio Ernesto de Salvo esteve engajado na defesa dos produtores rurais.

“Foram notáveis batalhas campais em que, no lugar de armas de morte, expôs as máquinas de trabalho dos agricultores brasileiros para demonstrar aos burocratas teimosos e aos políticos desajuizados, que eles não prejudicam marginais ou aventureiros, mas exércitos de produtores”, lembrou.

Kátia Abreu não poupou críticas ao governo que, na sua avaliação, não dá a devida importância ao setor agropecuário, motivo que provocou os vários “tratoraços” e “caminhonaços” por parte dos agricultores e pecuaristas.

“Os poderes da República sempre se mostram insensíveis com a agropecuária, por mais que ela detenha a vanguarda da economia nacional”, declarou. E acrescentou: “A inteligência dominante também não descobriu ainda que as atividades empresariais, sejam de serviços, industriais ou agropecuárias, se confundem”.

Ela também fez questão de reiterar a posição de Antônio Ernesto de Salvo em relação à reforma agrária, considerada por ele como anacrônica e economicamente incapaz de oferecer resposta às exigências de produtividade da atividade rural.

“Antônio Ernesto sempre disse profeticamente que a reforma agrária não é um fim para seus promotores, mas apenas um meio de agitação e propaganda e, naturalmente, para fazer caixa, drenando recursos públicos para suas organizações de fachada”, evocou.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIDA SEDENTARIA
OMS alerta: Criança menor de 3 anos não deve ficar nem um minuto em tablet ou celular
HOMICIDIO X SUICIDIO
Pai que matou o filho de 4 anos e se matou não se conformava com namoro da ex-mulher
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos, com depressão comete suicídio e comove amigos
ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses
SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados