Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 20 de abril de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
BRASIL

Mais de 3,5 mil municípios executam o PETI pelo País

8 Jun 2010 - 05h17Por Ascom/MDS

O percentual de municípios brasileiros que oferecem serviços socioeducativos do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), alcançou mais de 66% em 2009. A informação está disponível no levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em parceria com o MDS e divulgado em maio de 2010. A Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) reúne dados, coletados no ano passado, das 5.565 cidades do Brasil.

Para a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Márcia Lopes, não há mais espaço para crianças e adolescentes sem cuidado e proteção. “Não há mais espaço para crianças relegadas a qualquer tipo de violação dos seus direitos, privadas do tempo da infância. Criança tem direito de ser criança", afirma. Atualmente, o Peti funciona em mais de 3,5 mil cidades de todos os Estados do País.

          Ao todo, cerca de 820 mil crianças e adolescentes com idade inferior a 16 anos são atendidos pelo programa, que prevê a transferência de renda para as famílias e a oferta do serviço de convivência e fortalecimento de vínculos a meninos e meninas identificados nessa situação. O objetivo é retirá-los da prática do trabalho infantil, exceto na condição de aprendiz com idade a partir dos 14 anos.

           Munic 2009

          Ainda segundo os dados do IBGE, todos os municípios com mais de 500 mil habitantes oferecem os serviços socioeducativos do Peti. Mais de 87% das cidades com população entre 100 e 500 mil executam o programa. Além disso, 98% das cidades do Brasil recebem recursos federais para a área de assistência social. A coordenadora da Secretaria Nacional de Assistência Social do MDS, Maura Luciane de Souza, afirma que a garantia no repasse de recursos é um dos compromissos do governo federal.    

          Maura Luciane reforça a necessidade de os gestores de assistência social, em todo o Brasil, identificarem e cadastrarem crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. "O governo federal tem promovido estratégias para que se avance no combate ao trabalho precoce, seja do ponto de vista da fiscalização, da denúncia pela sociedade e pelo envolvimento dos gestores das políticas públicas nos territórios, para que articulem essa rede e invistam nessa identificação, visando à efetivação do cadastramento e inserção nos programas sociais", acrescenta.

Denúncias

A coordenadora do MDS lembra ainda que existem formas de a sociedade participar do combate ao trabalho infantil.  O cidadão pode fazer a denúncia no Conselho Tutelar, Conselho Municipal de Assistência Social e de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, Ministério Público do Trabalho, Superintendências Regionais do Trabalho (SRTs) ou direto na Prefeitura. Há, ainda, o Disque Denúncia Nacional. Basta discar o número 100. A ligação é gratuita e a identidade de quem denuncia é preservada.

 


Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião
DEU RUIM
Vítima reage e mata assaltante que tentava roubar camioneta em Toledo – ASSISTA VÍDEO
PAI MONSTRO
Pai é preso suspeito de estuprar e engravidar a filha de 11 anos
15 METROS DE ALTURA
MILAGRE – Menina de um ano que caiu do 4º andar de prédio não sofreu nenhuma fratura