Menu
SADER_FULL
domingo, 26 de maio de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Mais de 10 mil colombianos vivem no Brasil

26 Jun 2007 - 09h23
Cerca de 450 colombianos vivem em solo brasileiro acolhidos como refugiados, mas um grupo muito maior vive na Amazônia sem ser reconhecido como tal. Os dados são do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), que destacou a dificuldade em precisar o número de pessoas que já cruzaram a fronteira entre Brasil e Colômbia de maneira informal.

Estimativas obtidas por meio de estudos em parceria com a Universidade Federal do Amazonas indicam que o contingente de refugiados está entre 10 e 15 mil colombianos. O levantamento do Acnur aponta que eles vivem ao longo dos rios, em aldeias indígenas ou em zonas urbanas como Tabatinga e Manaus, no Amazonas.

O pesquisador Helion Povoa Neto, do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios da Universidade Federal do Rio de Janeiro, destaca uma alteração no fluxo de refugiados para o país, que desde a década de 80 concentrava pessoas vindas da África, principalmente de Angola: agora a tendência é o Brasil passar a receber cada vez mais colombianos, que deixam a terra natal por causa dos conflitos que envolvem governo, guerrilheiros e narcotráfico.

"O fluxo mais importante de refugiados que o Brasil teve foi o de angolanos e congoleses. Ainda hoje, mais da metade dos 3,4 mil refugiados que vivem no Brasil são angolanos, mas no caso de Angola o conflito político acabou. O conflito que está acontecendo agora, na fronteira com o Brasil, é o da Colômbia, que gera uma grande quantidade de deslocamentos internos e refugiados nos países vizinhos, como Venezuela, Peru, Equador e Brasil. Na Amazônia há muitos colombianos que atravessaram a fronteira e estão como imigrantes ilegais. Eles teriam condição de ser reconhecidos como refugiados”, disse.

De acordo com o pesquisador, o quadro é causado principalmente pela falta de informação, tanto das pessoas que vêm em busca de asilo como por parte de agentes federais que tomam contato com elas na fronteira: “Às vezes eles nem sabem que têm o direito de pedir isso. Muitas vezes são tratados pela Polícia Federal como criminosos, como ilegais porque os policiais que cuidam das fronteiras não sabem que eles têm direito a pedir asilo.”

Neto também lembrou que muitas vezes os refugiados são confundidos com foragidos. “A palavra refugiado tem uma conotação muito ruim. De certa forma o refugiado é um foragido, mas não porque tenha cometido algum crime”.

Para o pesquisador a tendência é que a procura de asilo pelos colombianos cresça e o Brasil precisa se preparar para isso.
 
 
 
MS Notícias

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA ILUSTRE
Em Bonito (MS), Miss Brasil Júlia Horta destaca 'A energia daqui é inexplicável'
COISA DE DOIDO
Sucuri ataca bombeiro durante resgate em SP; assista!
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano
FEMINICIDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
'Peguei meu filho e achei que estivesse morto', diz mãe de criança dopada em creche
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira o que tá na promoção que vai até este sábado no O Boticário em Fátima do Sul
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Visite Bonito (MS) na baixa temporada, saiba o porquê!
FÁTIMA DO SUL - TRATAMENTO COACH
De Nova Andradina, Vanessa recupera autoestima com tratamento 'Coach' Célia Tenório de Fátima do Sul
CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda