Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 18 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Lula festeja partida no Haiti, mas esquerda reclama

18 Ago 2004 - 08h18
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemora hoje o jogo amistoso da seleção brasileira de futebol no Haiti, mas ainda persistem as críticas no Brasil à decisão de comandar a força de paz no país, inclusive da esquerda do PT.

O deputado Ivan Valente (PT-SP) disse ontem que o Brasil pode estar sendo usado como "mão de gato" dos interesses americanos no Haiti, isto é, fazendo a preparação do terreno político para que os americanos voltem a mandar no país, "como sempre". Na votação sobre o envio de tropas brasileiras à ilha, ele apresentou voto em separado contra a decisão.

O Brasil lidera a força de paz da ONU que tenta dar estabilidade ao país, cujo presidente Jean-Bertrand Aristide deixou o poder sob ataques rebeldes e acusando os EUA de estarem por trás de sua queda, em fevereiro. "Os EUA já estão no Iraque e no Afeganistão, é claro que eles querem ter uma mão de gato americana no Haiti. Ou alguém acredita que desistiram do país?", questionou.

Também a deputada Maninha (PT-DF), da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, tem ressalvas. Ela votou a favor da participação brasileira na força de paz, mas voltou ontem da Venezuela com dúvidas sobre o Haiti. "As ONGs, especialmente do Reino Unido e da Espanha, nos fizeram muitos questionamentos em Caracas sobre a participação do Brasil no Haiti", disse. Ela recebeu relatos de Gérard Pierre-Charles, da ONG Organização do Povo em Luta, do Haiti, dizendo que os seqüestros continuam e que há uma sensação crescente de que a "intervenção estrangeira impede o país de se resolver sozinho".

Para o ex-chanceler Celso Lafer, o jogo da seleção hoje é "a expressão da política externa como política do espetáculo", mas ele discorda das críticas à participação brasileira na força de paz. Para ele, dizer que o Brasil está servindo a interesses dos EUA é "excessivo".

Para o ministro da Defesa, embaixador José Viegas, o Brasil já participou de outras tropas de paz, em Moçambique, Angola e Timor Leste e está no Haiti para "ajudar a reconstrução do país".

A questão divide especialistas e políticos, principalmente porque é uma experiência prática de uma política externa que se diz "ativa e pró-ativa" e que busca ampliar não só a participação, mas a liderança do Brasil no mundo.

O objetivo prático é obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). Para quê? Resposta de Viegas: "Não queremos dar um passo maior que a perna, queremos participar dos mecanismos de decisão e contribuir, assim, para a paz, o diálogo, as ações concertadas na região e no mundo".
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA
SIAMESAS
Mulher dá à luz gêmeas siamesas de 3,700KG as duas
ACIDENTE DE TRABALHO
Homem morre ao ser puxado por colheitadeira quando fazia limpeza
TENTATIVA DE HOMICIDIO
Cansada de apanhar mulher desfere golpes de faca em companheiro
POLICIAIS CORRUPTOS
PMs são denunciados por ligação com tráfico; bandidos fizeram foto em caveirão
NOVELA GLOBAL
Camilo descobre segredo de Chiclete e Vivi em 'A dona do pedaço'
LIBERADO
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
ALUCIENÓGENO
Video: Vovó fica doidona ao provar acidentalmente maconha do neto
TARADO AGIU NA IGREJA
Homem é preso após abusar de criança de 4 anos dentro de igreja
CRUELDADE
Adolescente que estava desaparecido foi brutalmente assassinado e queimado