Menu
SADER_FULL
sexta, 22 de março de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Lula festeja partida no Haiti, mas esquerda reclama

18 Ago 2004 - 08h18
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemora hoje o jogo amistoso da seleção brasileira de futebol no Haiti, mas ainda persistem as críticas no Brasil à decisão de comandar a força de paz no país, inclusive da esquerda do PT.

O deputado Ivan Valente (PT-SP) disse ontem que o Brasil pode estar sendo usado como "mão de gato" dos interesses americanos no Haiti, isto é, fazendo a preparação do terreno político para que os americanos voltem a mandar no país, "como sempre". Na votação sobre o envio de tropas brasileiras à ilha, ele apresentou voto em separado contra a decisão.

O Brasil lidera a força de paz da ONU que tenta dar estabilidade ao país, cujo presidente Jean-Bertrand Aristide deixou o poder sob ataques rebeldes e acusando os EUA de estarem por trás de sua queda, em fevereiro. "Os EUA já estão no Iraque e no Afeganistão, é claro que eles querem ter uma mão de gato americana no Haiti. Ou alguém acredita que desistiram do país?", questionou.

Também a deputada Maninha (PT-DF), da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, tem ressalvas. Ela votou a favor da participação brasileira na força de paz, mas voltou ontem da Venezuela com dúvidas sobre o Haiti. "As ONGs, especialmente do Reino Unido e da Espanha, nos fizeram muitos questionamentos em Caracas sobre a participação do Brasil no Haiti", disse. Ela recebeu relatos de Gérard Pierre-Charles, da ONG Organização do Povo em Luta, do Haiti, dizendo que os seqüestros continuam e que há uma sensação crescente de que a "intervenção estrangeira impede o país de se resolver sozinho".

Para o ex-chanceler Celso Lafer, o jogo da seleção hoje é "a expressão da política externa como política do espetáculo", mas ele discorda das críticas à participação brasileira na força de paz. Para ele, dizer que o Brasil está servindo a interesses dos EUA é "excessivo".

Para o ministro da Defesa, embaixador José Viegas, o Brasil já participou de outras tropas de paz, em Moçambique, Angola e Timor Leste e está no Haiti para "ajudar a reconstrução do país".

A questão divide especialistas e políticos, principalmente porque é uma experiência prática de uma política externa que se diz "ativa e pró-ativa" e que busca ampliar não só a participação, mas a liderança do Brasil no mundo.

O objetivo prático é obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). Para quê? Resposta de Viegas: "Não queremos dar um passo maior que a perna, queremos participar dos mecanismos de decisão e contribuir, assim, para a paz, o diálogo, as ações concertadas na região e no mundo".
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - PACOTE DE PÁSCOA
Que tal curtir o feriado de Páscoa em Bonito MS?, confira o pacote especial do Águas de Bonito
TERROR NA ESCOLA
Homem é morto a tiros enquanto buscava filho na escola
TARADÃO
‘Peladão’ aterroriza mulheres em bairro nobre
MUNDO MEDONHO
Apaixonada pelo genro, sogra rouba nudes dele no celular da filha
QUEIMOU
Mulher queima partes íntimas do marido ao descobrir que ele abusava da filha – Veja VÍDEO
ASSALTANTES
Ônibus de turismo é parado a tiros por ladrões. Motorista foi baleado
SOFRE BULLYING
Estudante posta foto com pistolas e ameaça invadir escola
DROGAS
Mulher morre após cinco horas de sexo sem interrupção
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira algumas das promoções que O Boticário tem para você em Fátima do Sul
LAVA-JATO
Michel Temer é preso pela Lava Jato; PF faz buscas por Moreira Franco