Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 27 de junho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Lula e Temer definem hoje nome de ministro da Agricultura

19 Mar 2007 - 08h00

A desistência de Odílio Balbinotti para o Ministério da Agricultura acirrou a disputa dentro do PMDB pelo cargo. Três dos 91 deputados federais do PMDB são os mais cotados: Tadeu Filippelli (DF), Waldemir Moka (MS) e Reinhold Stephanes (PR).

A decisão pode sair hoje em reunião do presidente nacional da legenda, Michel Temer, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Se Lula se limitar à lista apresentada pelo PMDB para o cargo, poderá enfrentar novo episódio Balbinotti, que desistiu da indicação anteontem, após suspeita de usar laranjas para obter empréstimo bancário.

Dois dos nomes sugeridos pelo PMDB -Fernando Diniz (MG) e Valdir Colatto- já foram alvos de investigações movidas pelo Ministério Público no Supremo Tribunal Federal por suspeitas de corrupção e falsidade ideológica, entre outras acusações.

Outros três - Filippelli, Stephanes e Moka - são ex-adversários ferrenhos dos petistas que agora procuram se aproximar de Lula para ter chance de levar a vaga. O derradeiro nome, Eunício Oliveira (CE), esbarra no pouco apoio na bancada federal para voltar a ser ministro - já ocupou a pasta das Comunicações no primeiro mandato de Lula.

Dos candidatos à vaga, quem se movimentou mais ostensivamente é Filippelli. Ex-inimigo do PT do Distrito Federal, ele tem hoje relação civilizada com caciques do partido, como o deputado Geraldo Magela (DF). Mas, na campanha de 2002 ao governo do DF, chegou a pedir no STF apuração de crime contra Magela. No final de semana, Filippelli procurou Temer e o líder da bancada peemedebista, Henrique Alves (RN), para sondar quais são suas chances. Ele tem três trunfos a seu favor: é do Centro-Oeste, uma região predominantemente agrícola; tem a simpatia de Arlindo Chinaglia (PT-SP), a quem ajudou na eleição para presidir a Câmara; e construiria uma ponte com o influente senador e ex-governador do DF, Joaquim Roriz.

Já Moka alega que as críticas a Lula são coisa do passado. Stephanes é respeitado em todos os partidos, mas foi ministro do governo FHC. A lista de processos que já passaram pelo STF envolvendo Colatto é extensa. Vai desde ações propostas pelo Ministério Público por suspeita de peculato (delito praticado por funcionário público em razão do cargo), de crime contra a fé pública, de falsidade ideológica e de favorecimento à sonegação fiscal.

Hoje, o sistema do Ministério da Fazenda não emite certidão negativa conjunta de débitos relativos a tributos federais e à dívida ativa da União para Colatto. Ou seja, ele tem impostos pendentes. A reportagem não conseguiu confirmar o resultado dos processos contra o deputado, dos quais a maioria voltou à Justiça de Santa Catarina, onde as ações tiveram origem.

No início dos anos 90, Fernando Diniz chegou a ser investigado em processo no STF por suspeitas de crime eleitoral e corrupção. Mas o caso foi arquivado.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Acadêmico de Medicina morre com suspeita de dengue hemorrágica
INSTINTO ASSASSINO
Jovem leva 23 perfurações pelo corpo dois dias após se separar e fica em coma induzido
CRUELDADE
Adolescentes torturam e matam garota por causa de ciúmes, divulgam vídeo e são apreendidas
HABEAS CORPUS
Segunda Turma do STF mantém Lula preso
TRAGEDIA NA RODOVIA
Uma pessoa morre e cinco feridos após carro da Secretaria de Saúde bater em caminhão
ESCRAVIDÃO
Mulher era mantida em cárcere privado por 20 anos
MONSTRUOSIDADE
Bebê de 9 meses é estuprado e espancado até a morte
QUADRO ESTÁVEL
Após acidente e cirurgia às pressas, Filho de Huck e Angélica deixa UTI
CIGARREIRO
Homem morre após capotar carro carregado com cigarros
ASSÉDIO SEXUAL
Dany Bananinha sofre assédio em praia do Rio e impede nova vitima: 'Me tremi toda'