Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 21 de julho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Liminar barra cota para negros e índios na Uems

19 Mar 2007 - 08h55
O juiz da 2ª Vara Cível de Paranaíba, Marcelo Andrade Campos Silva, considerou inconstitucional o sistema de cotas para o ingresso de índios e negros na Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul).

Na quinta-feira, o juiz proferiu uma liminar em favor de Elaine Maria de Freitas Oliveira, que ficou com a 46ª colocação no mais recente vestibular para o curso de direito. Como o processo seletivo oferecia 40 vagas, sendo 12 destinadas para atender as cotas de negros e indígenas, Elaine Oliveira entrou com um pedido de mandado de segurança para efetuar matrícula na unidade da Uems em Paranaíba. Ela alegou que caso não houvesse o sistema de cotas estaria entre os aprovados.

A candidata pediu o reconhecimento de seu direito de freqüentar as aulas, sob risco de perda do ano letivo. Diante da situação, Marcelo Campos Silva considerou que a lei estadual que define a cota protege negros e índios em desfavor dos demais cidadãos.

Na liminar, o juiz define que nem todos os negros e índios pertencem à categoria mais pobre da população e que nem todos os brancos estão no topo da ‘pirâmide social’ sendo favorecidos economicamente. Para ele, há pais que mesmo prejudicados economicamente providenciam ensino de qualidade aos filhos.

O juiz também aponta inconstitucionalidade do sistema de cotas adotado pela Uems devido à falta de critério para qualificar o candidato como negro ou índio. “É de interesse apontar a total ausência de critério para a qualificação como negro ou índio. Qual seria tal critério? A aparência pessoal apenas? Ou far-se-ão exames de DNA para se determinar a etnia dominante a cada candidato? Ou basta a simples declaração por parte do candidato?”, ironizou o magistrado.

Conforme a decisão, o juiz reconheceu presentes os dois requisitos necessários para a concessão da liminar, sendo ‘a fumaça do bom direito (fumus boni iuris ) e o perigo da demora (periculum in mora)’ e determinou que a Uems proceda, de imediato, a matrícula de Elaine no curso de direito matutino na unidade de Paranaíba. A matricula foi realizada na tarde de sexta-feira.

O sistema de cotas étnicas para concursos vestibulares, proposto pelo MEC e legalizado em no Estado através das leis 2605/2003 (negros) e 2589/2002 (índios), e regulamentado através da Resolução CEPE-UEMS nº 430 de 30 de julho de 2004 tem, como finalidade principal, facilitar o acesso dos menos favorecidos ao ensino superior. Hoje, das 7.291 vagas oferecidas pela Uems, 685 são destinadas a cotistas negros (549) e índios (136).

O reitor Luiz Antônio afirmou ao Diário MS que sem o sistema, dificilmente os jovens, em especial os indígenas, seriam inseridos no ensino superior.

No entanto, o juiz ressalta que o sistema de cotas é “flagrantemente inconstitucional, já que parte de premissa falsa, segundo a qual todos aqueles que se encontrem na categoria étnica protegida (no caso em comento negros e índios) devem ser protegidos e tutelados pelo Estado em desfavor dos demais cidadãos”, declarou Marcelo Campos Silva.

A decisão pode servir de precedente jurídico para que outros candidatos que não foram aprovados nos vestibulares acionem a Justiça para garantir o direito de matricula na universidade. Este é o primeiro caso no Estado. Entretanto, decisões semelhantes já foram proferidas em outros Estados do país, como Paraná e Santa Catarina.

UEMS
Segundo o reitor Luiz Antônio Gonçalves, a universidade ainda não foi notificada da decisão. Ele disse que, após responder a Justiça sobre a forma de funcionamento do sistema de cotas, a Uems vai comparar o desempenho de Elaine Oliveira no vestibular ao obtido pelos alunos cotistas. “Vamos analisar o caso para ver que tipo de posição a universidade vai tomar”, falou o reitor.

Ele disse ainda que esse tipo de matéria deve ser julgada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e que há uma tendência jurídica dos tribunais em favor da inclusão social. A decisão ainda é de primeira instância, devendo ser julgada pelo Tribunal de Justiça e, só depois, se as partes recorrerem, ser definida em Brasília.
 
 
 
 
Diário MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA SENDO REPRESENTADA NO RJ
Vicentina será representada no Internacional de Masters South América de Jiu-jitsu no Rio de Janeiro
POLITICA
'Falar que passa-se fome no Brasil é uma grande mentira', afirma Bolsonaro
NOVELA GLOBAL
Maria da Paz se recusa a enxergar caráter de Josiane em 'A dona do pedaço'
REGIME SEMIABERTO
Goleiro Bruno deve sair da cadeia no fim da tarde desta sexta-feira
CASO RARO
Bezerro de seis patas chama atenção moradores de Santa Helena – Veja Vídeo
MONSTRUOSIDADE
Vizinho é preso suspeito de estuprar e estrangular menina de 8 anos
CASA PRÓPRIA
Recurso de R$ 1 bilhão é destinado ao Minha Casa, Minha Vida
VIDA SAUDÁVEL
Homem mais velho do Brasil falece no Rio de Janeiro
BASTA DE IMPRUDÊNCIA
Enlutada pelas mortes, população deixa faixa contra imprudência na PR-082
VIOLENCIA
Motorista atropela manifestantes do MST e mata um idoso