Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 24 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

Leila diz que tristeza do corte vai durar

11 Ago 2004 - 17h19

Tarde de quarta-feira na praia de Glifada, sul de Atenas. Na quadra de areia, treinando, Ricardo e Emanuel, a esperança de medalha de ouro no vôlei de praia masculino. Fora dela, uma cena inusitada, em tempo de Olimpíada. Leila Gomes de Barros, a musa do vôlei brasileiro, calça caqui e blusa preta, óculos escuros, está discretamente sentada numa mureta.

Estreando na profissão de comentarista de uma emissora de TV, Leila ainda amarga a tristeza de estar fora do maior evento esportivo mundial. Reticente em dar a entrevista num primeiro momento, ela acabou cedendo e falou com exclusividade ao Terra, sem nunca tirar os olhos do namorado Emanuel, ao lado do companheiro, treinava com uma dupla grega.

Terra - Como é acompanhar a Olimpíada fora da quadra?

Leila - Não é a melhor situação. Sempre vim aos Jogos Olímpicos competindo. Esta seria a minha quarta Olimpíada. Mas está sendo a minha quarta. Hoje estou fazendo um trabalho diferente, estou na TV, vou comentar. Acredito que seja uma janela que esteja se abrindo. Mas sempre torcendo pelas meninas. O vôlei está no sangue, não tem jeito. E como todo brasileiro torço para que dê tudo certo.

Terra - Você está triste?

Leila - Acho que já estive mais triste. Cheguei a Atenas, e queria ter sentido esses ares de uma forma diferente. Mas esse não compromisso de um lado e o compromisso de ser o mais leal possível com o que eu estou vendo também vai ser muito bacana. Pois vou ter que ser comentarista e vou ter de ser imparcial. E é uma situação completamente diferente. Mas a minha tristeza está sendo superada aos poucos com o carinho das pessoas. Todo momento recebo muita solidariedade. Enfim, fui muito bem recebida onde estou trabalhando agora. Isso meio que ameniza um pouquinho a tristeza. Mas essa tristeza vai perdurar por um bom tempo. Mas o tempo apaga tudo. Cicatriza tudo. E a vida vai continuar. O grande lance é você sofrer esses tropeços e perceber que você é forte para prosseguir. E eu sei que sou forte para prosseguir. Minha vida inteira foi de luta e tudo eu superei. Tive a consciência de que esse momento de ser atleta é efêmero. Que a situação um dia ia passar, já tá passando e a gente tem que estar preparado para isso.

Terra - Como você reagiu à declaração de Ana Paula, que disse que o técnico Zé Roberto era louco ao te cortar do grupo que veio a Atenas?

Leila - A Ana Paula está sendo solidária. É uma pessoa que me conhece, que jogou muitos anos comigo. Ela sabe eu que voltei da praia com o objetivo de jogar a Olimpíada. É normal que pense assim porque ela me conhece como atleta. Agradeço isso tudo. Mas cada técnico tem a sua tem a sua opinião, sabe as peças que vão ser úteis para ele naquele momento. E essa foi a visão do Zé Roberto e a gente tem de acatar. Aliás, a vida continua. E o que eu falei. É uma situação complicada porque minha vida sempre foi o vôlei e as pessoas identificam muito a seleção com a minha imagem. Mas tudo passa. Outras coisas virão e assim é a vida.

Terra - Como você vê as chances do vôlei?

Leila - O vôlei é o esporte que pode trazer mais medalhas, tanto na quadra como na praia. E pode trazer inclusive a medalha de ouro. Estou vendo o vôlei com a maior esperança especial, em especial o vôlei de quadra e o Emanuel, que está aí na luta pelo outro dele, com o Ricardo. Espero que dê tudo certo para ele. Enfim, espero que dê tudo certo para o vôlei.

Terra - Torcendo muito para o Emanuel?

Leila - Muito. De coração mesmo. Convivo com o Emanuel. Sei o dia-a-dia dele. Aliás, o nosso dia-a-dia. Da mesma forma que torço por ele, torço muito pelas meninas também. É um cotidiano muito desgastante.. O Emanuel merece, embora eu seja suspeita para falar porque todo mundo sabe que eu namoro ele (risos). Mas falando como profissional e companheira de esportes, ele merece mesmo, pois é muito dedicado e vive para isso. Ele e o Ricardo viveram esse último ano para isso. Eles merecem muito o ouro.

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico