Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Leia o artigo "Uma Visão do Futuro" por Jane Resina F. de Oliveira

14 Set 2010 - 09h48Por Jane Resina F. de Oliveira

No mês de agosto, estive na Universidade de Ohio (Ohio University),  em Athens,  realizando a extensão internacional do MBA em gestão empresarial.

Ao ter acesso à Universidade é impressionante deparar com a infraestrutura física, esportiva, de pesquisa, bem como a receptividade com que nós brasileiros fomos tratados, ficando demonstrado, mais uma vez, à atenção que os americanos dão para a organização, pontualidade, formalidade e respeito a todos àqueles que estão em seu Pais, em busca do conhecimento. O cronograma do curso foi cumprido rigorosamente no dia e  horários  pré-determinados.

O tema central do curso foi o debate sobre as perspectivas  e tendências do futuro para o Brasil e para o mundo, e como devemos  preparar-nos para conviver com todas as transformações que estão ocorrendo, tanto moral, como social.

Em razão da quantidade de assuntos relevantes e previsões para o futuro dos estudiosos lá presentes, entendi que seria interessante divulgar o que foi tratado, o que farei em alguns artigos seqüenciais, sendo este, o primeiro deles, que trata das mudanças que estão por vir diante da quantidade de informações que os homens estão tendo acesso.

Segundo Lynn Gellermann*, as Universidades mudarão o foco de investimento, pois até o momento sempre investiram de forma não econômica, sem verificar a viabilidade comercial da pesquisa. E a partir desses novos tempos, os investimentos em  pesquisa deverão ser mais criativos, levando em conta a produtividade da invenção, no sentido de tornar (viabilizar) o invento em produto comercializável. Os investimentos com maior probabilidade de retorno serão aqueles em energia limpa, em gestão de ativos digitais e no ensino a distância. No mercado de capitais haverá grande crescimento dos chamados investidores "anjos".

Bill Sams**, no painel “Liderando a Mudança” disse que há dois tipos de pessoas:  aquelas  que causam as mudanças e aquelas  que sofrem as mudanças, sendo que devemos estar muito atentos a evolução tecnológica, pois a quantidade de informações à disposição do homem estará cada vez maior e a velocidade em(tirar o em) que as decisões serão tomadas e implementadas fará toda  a diferença entre o  lucro e a perda.

No século 19 a economia dos Estados Unidos era essencialmente agrícola e  85% (oitenta e cinco porcento) dos americanos trabalhavam nesse setor. Hoje,  apenas 3% (três porcento) dos americanos trabalham na agricultura, e os Estados Unidos  continuam exportando produtos agrícolas.  A indústria americana produz muito mais com apenas os 3% de indivíduos trabalhando nessa área;  não por terceirizar os empregos,  mais sim, em razão da utilização de tecnologia que leva a  melhoria da produtividade.

 

Já na atualidade, século 21, a grande mudança está no setor de serviço, sendo que, atualmente esse setor absorve 85% (oitenta e cinco por cento) dos americanos, e é na prestação de serviços que  está o futuro, como também na maior utilização  das redes sociais, realidade aumentada entre outros.

Muito em breve, vamos presenciar a  nova  realidade virtual, onde cada ser humano terá em suas mãos, a potência de computação que excede toda a capacidade dos 6 bilhões de humanos que vivem na terra, e quando isso ocorrer, situação que não demorará muito, não se tem idéia qual será o limite da capacidade homem/máquina.

Em 1960, na maioria das grandes empresas havia um centro de processamento de dados; em 2010 temos os departamentos  de Tecnologia da Informação (TI): em 2060 não existirá nada disso,  terá apenas tecnologia de conhecimento e decisões. Isso já existe em Wall Street, pois as ações das companhias são vendidas e compradas em milésimos de segundos – sendo assim,  o tempo que uma pessoa levar para se implementar uma  decisão será a chave do sucesso.

A palavra realidade não é usada de forma correta, quando se fala em realidade física só pode ser vivida com os 5 sentidos, mas no mundo virtual (sintético) temos 3 sentidos:  visão, contato tátil e auditivo; chegará o momento que haverá o conjunto dos 8 sentidos, e quando esse dia chegar, nós devemos estar preparados, e a partir de agora, abrir a mente para a mudança, para que possa  melhorar o poder e a potência do mundo virtual.

Até 2060 haverá uma grande transformação da  convivência do homem / máquina, sendo que vamos testemunhar o nascimento de uma nova espécie; e em pouco tempo as máquinas evoluirão além dos humanos. Em 2060 com apenas U$ 1000 (mil) dólares qualquer pessoa poderá ter acesso e comprar  o poder de análise de todos os seres humanos, serão os trans-humanos. O pensamento não será em termos lineares, pois  o crescimento da quantidade de informação é em termos algarítimo, sendo assim,  devemos pensar o que fazer com toda a informação e privacidade que teremos acesso, será que estamos preparados para essa nova era? É muito importante pensar sobre isso e devemos preparar-nos para isso.

As crianças  terão mais habilidade no futuro na tomada de decisões, pois hoje são treinadas a tomar decisões rapidamente, através dos jogos interativos. Exemplificando, quando uma criança joga um game virtual onde é um piloto de avião, treina automaticamente as intercorrências que poderão surgir no exercício dessa atividade. Assim, se quando adulta, exercer a profissão de piloto de avião, poderá ter maior habilidade e tomar as decisões muito mais rápidas que outras que não praticaram jogos virtuais co-relacionados. Essa realidade não está tão longe, uma vez que, os investimentos em aplicativos móveis tem crescido exponencialmente, com  investimentos de dez bilhões de dólares e projeção de crescimento para 30 bilhões de dólares.

Diante das informações e dados acima, ficam duas perguntas para refletir: Nós vamos mudar ou ser mudados? Transformar ou ser transformados?

*Lynn Gellerm é um dos sócios fundadores da Adena Venturesm, atua nos conselhos de administração de várias empresas Adena portfólio, incluindo Ed Mapa, Emergent Game Technologies, Serra e Novo Plano Game Technologies. Atua como consultor para a Universidade de Ohio.

**Bill Sams - atualmente atua como executivo para a Universidade de Ohio programa Sem Fronteiras.

Autora – Jane Resina F. de Oliveira é advogada. Sócia fundadora do escritório Resina & Marcon Advogados Associados.  Mestre UnB – Universidade de Brasília, MBA em Gestão Empresarial/FGV-RJ/ MBAInternacional em Gestão Empresarial Ohio University. Pós Graduação em Direito Empresarial UCDB/MS. Palestrante, com livros e artigos publicados  nas áreas de Direito Societário e Eletrônico. www.resinamarcon.com.br. Blog – http://www.janeresina.adv.br; Twitter -  http://twitter.com/JaneResina; e-mail jane@resinamarcon.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico