Menu
RIO_DOURADOS
SADER_FULL
Busca
SUCURI_MEGA
Brasil

Leia o artigo “UMA VIDA PELA PAZ” de Antonio Néres

13 Jul 2004 - 13h23

UMA VIDA PELA PAZ


*Antonio Néres

As relações são da natureza humana. Respondem às necessidades do homem, não só concretas, materiais, mas, principalmente, morais, brotadas de sentimentos, afetividade, ternura. O homem é um ser de convivência. Na vida em sociedade, a convivência forma cultura, cria e formula modelos políticos de organização expressos, sempre, na instituição de normas. São meios garantidores da vida em sociedade. A obra é de construção coletiva, necessária à subsistência social. O processo resulta na busca incessante da paz e da felicidade.

Uma perigosa linha divisória está entre a barbárie e a civilização, fronteira tênue que com freqüência é transposta. Esses sentimentos e valores vitimaram Sérgio Vieira de Mello, herói brasileiro, diplomata do mundo, humanista, arauto da solidariedade e da paz. O terrorismo o condenou por suas virtudes. Esmagado pelos escombros, ligou o celular, pediu água e disse: estou vivo. E está nas suas causas, da paz e da autodeterminação dos povos. Perdeu a vida, mas eternizou o exemplo. Poucos brasileiros foram tão importantes e reconhecidos quanto ele pelo mundo. É uma pena que só na morte sua grandeza fosse percebida. Invocar o bem como justificativa para o mal é desumano. Justificar o terrorismo como instrumento de combate às injustiças é selvagem, animalesco, bárbaro.

A morte de Sérgio Vieira Mello deu vida a sua obra, fez reconhecer a dimensão de sua solidariedade, tornou possível aquilatar o caráter sagrado de sua missão, o espírito de renúncia de sua opção de vida e a estrutura monumental de sua vocação de pacificador, além do destemor de sua entrega à causa. Viveu no perigo, no complexo, no demorado, na intolerância que não o desanimaram, era sua vocação.

Há justificativa para o ódio do terrorismo? Claro que não! Mas é bom pensar na irracionalidade de seus pretextos insanos. No caso do Iraque, foram 13 anos de bloqueio econômico, com miséria, fome, desabrigo, doença, desemprego, chagas que jamais foram sentidas pela família do tirano, protegida nos palácios, na riqueza, por milícias a soldo, pelo fanatismo, pela corrupção, pelo enriquecimento ilícito com o petróleo dos iraquianos. Foram e são penas que ferem a vida, a liberdade e o bem-estar de um povo que foi berço da civilização. Saddam e Bush estão vivos. Sérgio Vieira de Mello, o herói, está morto.

*O autor é radialista e jornalista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Maniaco Sexual
Homem é preso por abusar sexualmente de menina que queria adotar
Lava Jato
Ministros do STF admitem possibilidade de soltura e candidatura de Lula
Brincadeira Fatal
Tragédia: bebê morre esmagado durante brincadeira com carro da família
Execução
Homem tenta correr, mas é executado no meio da rua
Acerto de Contas
Homens falam que são policiais e matam jovem com 45 tiros
Famosidades
Lívia Andrade abre o jogo e diz que gostaria de ser a Hebe Camargo
Nodulo nos Rins
Thiago Fragoso passa por cirurgia nos rins para retirada de nódulo e se recupera bem
Novela Global
'Outro lado': Adriana e Nicolau se beijam pela primeira vez
O Apocalipse
Natália (Samara Felippo) é beijada por Dylan (Marcelo Valle) e se diverte com o jeito dele
Acerto de Contas
Mulher é assassinada e companheiro é poupado pelos bandidos