Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Leia o artigo “Sejamos Brasileiros Sempre”, por Wagner Cordeiro

9 Jun 2010 - 11h36Por Wagner Cordeiro Chagas

 SEJAMOS BRASILEIROS SEMPRE

 

 

Wagner Cordeiro Chagas

 

Restam poucos dias para o início de um dos mais importantes eventos esportivo do planeta, a Copa do Mundo da FIFA, que este ano será realizado na África do Sul. Devido a isso já percebemos nas ruas, comércio, escolas, praças, veículos e no semblante das pessoas a ansiedade pelo ponta pé inicial dos jogos. Bandeiras nacionais, cartazes, camisetas, bonés, entre outros assessórios já são vendidos e utilizados em todo Brasil , apresentando com isto, o sentimento patriótico que ainda existe em nosso povo.

 

 

Esse espírito de torcida pela seleção de jogadores de futebol que representa nosso país, desperta algumas curiosidades. É interessante notarmos como o povo brasileiro eleva a demonstração de amor ao Brasil, até parece que somente agora estão se descobrindo pertencentes a esta nação.

 

 

Acalme-se amigo leitor, não é uma crítica que faço, mas sim uma observação, pois, assim como todos os habitantes desta gigantesca pátria amada, apesar de o futebol não ser uma das minhas paixões (sou um corintiano moderado), torço muito para que nossos representantes no mundo futebolístico tragam-nos a sexta taça do mundial e muita alegria aos nossos corações.

 

 

Para discutirmos essa questão de patriotismo, é preciso primeiramente, observemos qual o significado da palavra pátria. Dentre algumas definições, encontra-se a que explica o termo como sendo a terra natal a que pertencemos, a qual nos sentimos ligados por vínculos culturais, afetivos e históricos, onde existe um idioma comum falado por todos os que a habitam.

 

 

Sendo assim, podemos afirmar que o Brasil é a nossa pátria e que para ela devemos desejar o melhor, pois quem a constrói não são somente os grandes heróis, como a historiografia tradicional costuma divulgar, mas também aqueles que lutam dia a dia, sol a sol, pela construção de um país digno para seus filhos.

 

 

É relevante notar que ao longo de nossa história republicana alguns governantes aproveitaram-se da oportunidade de exaltação da nação, demonstrado em anos de Copa, para destacar suas gestões e mascarar os regimes políticos autoritários que impuseram ao Brasil. É o caso do governo ditatorial de Getúlio Vargas, nos anos de 1937 a 1945, intitulado Estado Novo e, o governo de Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), na época da Ditadura Militar.

 

 

Conforme o historiador Eliazar João da Silva, em sua obra A taça do mundo é nossa: o futebol como representação da nacionalidade, o bom desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1938, sediada na França, serviu de embasamento para o governo Vargas consolidar o regime político implantado um ano antes. Em outras palavras, o chefe do executivo federal utilizou-se dos bons momentos do futebol nacional e do destaque do país no exterior para demonstrar um Brasil imponente, com uma população alegre e sem problemas. Enquanto isso, por outro lado, escondia-se a ditadura estadonovista, inspirada em ideias fascistas, que prendia estudantes, reprimia os movimentos de luta pela liberdade política, caçava e executava pessoas consideradas subversivas.

 

No mundial do México de 1970, ano em que a seleção de Pelé e seus companheiros conquistaram o tri-campeonato, o país experimentava outro regime de exceção, dessa vez, os chefes de Estado eram os generais do Exército, que administravam a nação desde o golpe de 1964. Nesse ano, o governo do general Médici, considerado o mais autoritário daquele período, fez questão de explorar a ocasião para, através da propaganda governamental, passar a imagem de uma nação de economia forte, estável em termos políticos e justo socialmente, com slogans famosos, como “Ninguém segura este país” ou “Brasil, ame-o ou deixe-o”.

 

 

Entretanto, esse Brasil glorioso mostrado nos anúncios de publicidade, não era visto nas sedes de departamentos de repressão política, onde pessoas que lutavam por cidadania eram torturadas das mais bárbaras formas e também assassinadas.

 

 

Apesar disso, observa-se que o povo nunca perdeu o amor pela terra brasileira. Basta lembrar-se de dois episódios recentes de nossa história para comprovar isso: a campanha das Diretas Já e o Fora Collor. Entre 1983 e 1984, multidões saíram às ruas empunhando a bandeira nacional e cantando o hino, para exigir eleições diretas para presidente da República e o fim do autoritarismo.

 

 

Em meados de 1992, no calor da crise política vivida pelo governo Fernando Collor, estudantes, em várias cidades saíram em marcha pelas ruas com o rosto pintado de verde e amarelo (Caras Pintadas) clamando pela saída do chefe da nação e demonstrando repúdio a corrupção.

 

 

Lamentavelmente, exceto em tempo de Copa do Mundo, de alguns anos para cá não se percebeu mais esse patriotismo. É esperar para ver. Encerrados os jogos da seleção brasileira, o clima de brasilidade esfria, as bandeiras são guardadas para o próximo torneio e tudo volta ao normal.

 

 

Mas espere aí, logo que encerrar o mundial de futebol, o Brasil iniciará outra disputa, dessa vez, a das campanhas eleitorais, para escolher o novo presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e estaduais, uma verdadeira fe

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação