Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 21 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Leia o artigo "REFLETINDO SOBRE O VOTO CASEIRO" por Julio Saldivar

12 Ago 2010 - 11h30Por Julio Saldivar

Entre as várias definições para a palavra demagogia encontrei a seguinte: “Arte de conduzir o povo a uma falsa situação. Dizer ou propor algo que não pode ser posto em pratica apenas com o intuito de obter um benefício ou uma compensação”.

Há alguns meses atrás, antes até de terem nomes definidos para o atual pleito eleitoral, promoveu-se por iniciativa um vereador da nossa cidade, hoje candidato a Deputado Estadual, um ato onde a proposta era a de que aquele seria o inicio de um movimento para conscientizar o eleitorado local sobre a importância de votar nos candidatos daqui, ou seja, propagar o tal “voto caseiro”.  Pois bem, por considerar um tema realmente importante lá compareci. Tamanha foi a minha surpresa (e de todos que lá compareceram) ao chegar lá no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil e me deparar com a presença de dois Deputados Federais de Campo Grande, um hoje candidato a reeleição e outro hoje candidato a Senador, e mais, convidados a sentar na mesa das autoridades e discursar sobre o tema proposto, como se daqui fossem. Para aumentar a incógnita, a ausência constatada dos verdadeiramente nossos dois Deputados Federais, hoje candidatos à reeleição, e do nosso Vice Governador, hoje candidato a Senador, que eram na verdade quem esperava ver e ouvir, eu e os diversos representantes de outras famílias tradicionais, de diversas entidades de classe e da imprensa que lá compareceram.  Um senhor já idoso sentado a minha frente virou-se e me disse: “isso aqui é um circo armado e nós fomos convidados a vir aqui fazer papel de palhaços.” Percebi então, e não só eu, que o ato era pura demagogia, para proveito próprio daquele que o promovera, e de lá me retirei antes mesmo do término do evento.

Os cargos de Deputado e Senador o são de representatividade a nível Estadual e Federal, ou seja, são eleitos para defender os interesses de todo o Estado e, no caso do Federal, de todo o Brasil, e o eleitor esclarecido sabe que as funções desses vão muito além do que simplesmente destinar verbas do orçamento para suas bases eleitorais. Então, muito normal que o candidato tente expor suas idéias, seus projetos, ao maior numero possível de eleitor em todo o Estado. Os candidatos daqui também fazem isso, e se não o fizerem não se elegem, nenhum deles, porque se dividirmos o numero de eleitores só de Dourados (em torno de 120.000) pelo numero de candidatos a Deputado Federal (os quatro principais nomes que temos), por exemplo, nenhum deles atinge numero suficiente de votos necessários para se eleger. O mesmo para Deputado Estadual, onde o numero de candidatos é ainda maior. Imagine outra possibilidade, a de que um movimento pelo tal “voto caseiro” se espalhasse para outros municípios, e os eleitores de lá também deixassem de votar nos candidatos de Dourados, correríamos então sério risco de não elegermos ninguém daqui. Seria, como se diz, “o feitiço virando contra o feiticeiro”.

Mais importante do que a preocupação com o voto caseiro, é o desempenho pessoal do próprio candidato. Candidato sem conhecimento, idéias e projetos, ou aquele que busca a reeleição que não tenha cumprido satisfatoriamente com o papel que lhe foi confiado pelos eleitores, não vai se eleger mesmo. Os atuais deputados, tanto o Estadual quanto os Federais, que são daqui de Dourados, tem em suas folhas de serviços aprovações de projetos e destinação de verbas para diversas cidades do Estado, inclusive para, por exemplo, construção e aparelhamento de Postos de Saúde e Hospitais em Campo Grande. Tudo isso para, alem de cumprir com o papel inerente ao seu cargo, obviamente, ver aumentar a sua base eleitoral. Portanto, aquele candidato que esta em boa situação com o eleitor não tem mesmo que se preocupar com esse negócio de “voto caseiro”, e muito menos admitir seus cabos eleitorais vaiando candidatos de outras cidades, como se aqui fosse um território demarcado.

Há ainda que se considerar o fato de homens públicos da nossa cidade ter, historicamente, utilizado da força (política e financeira) de políticos de outras cidades para atingirem seus objetivos eleitorais a nível local. O ultimo grande exemplo é o do nosso atual prefeito, que se elegeu com apoio de pelo menos quatro nomes fortes de fora, três da capital e um de Fátima do Sul. E isso também ocorre também quando há eleição para Vereadores e Deputados. Se isso acontece, como impedir que esses políticos venham aqui em época de eleição fazer campanha?

Por fim, devem ser considerados fatores diversos para um político de outra cidade vir a Dourados buscar votos. Entre outros, o fato de que ninguém vem aqui se aventurar se não tiver algum fato ou conhecimento que o ligue a cidade, como, por exemplo, parentes, amigos, negócios e outros; além desse, o fato de que em Dourados hoje a população congrega pessoas vindas de várias outras cidades do Estado, e nada impede que essas pessoas tenham preferência e trabalhem para políticos de sua cidade natal.

Mesmo após a vergonhosa exposição de políticos daqui nas tais Operações Sanguessuga e Owari da Policia Federal, tenho convicção que Dourados deva eleger um bom numero de representantes locais, pois ainda possui nomes de respeito e destaque nos cargos em disputa, com forte base eleitoral aqui e em outras cidades do Estado. Meu voto para Deputado Estadual e para Senador será para políticos da casa. Para Deputado Federal porém, voto em candidato de fora por motivo especial, por amizade, o que me faz testemunha da competência e honestidade do candidato, construída pelo fato de este ser médico e cuidar do meu filho Pedro (que nasceu com doença chamada mielo-meningocele) há treze anos. Ele, assim como os demais, promete também trabalhar por Dourados, e eu vou cobrar... E assim deve ser.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara
AMOR A PROFISSÃO
Pedreira caprichosa viraliza com trabalho detalhista e ganha novos clientes
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
O Boticário apresenta Quasar Brave, venha conferir no O Boticário em Fátima do Sul
SUPERAÇÃO
Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito