Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 10 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Leia o artigo “A Ira do Professor de História”, por José Tibiriçá

23 Ago 2010 - 18h21Por José Tibiriçá

A IRA DO PROFESSOR DE HISTÓRIA

 

 

Na semana passada,  publiquei o artigo nominado de A VINDA DO PRESIDENTE LULA EM DOURADOS, onde citei que era uma coincidência por ser no dia 24 de agosto, data da morte do Presidente Getúlio Dorneles Vargas, que se noticia ser o primeiro Presidente eleito a visitar Dourados na década de 1940.

 

 

Como douradense, neto materno do gaúcho Mantilha Martins que nasceu em São Borja-RS , em 10/02/1897, terra de Getúlio, com menos de 18 anos, em companhia de seu avô Manuel Martins, que vendeu sua estância em 14 de agosto de 1911 a seu primo Francisco Martins Dutra, em companhia da esposa, do filho Domingos Martins, partiram de São Braz, de carreta e após um ano e sete meses de viagem, chegaram ao lugar denominado Cabeceira do Apa, Município de Ponta Porá.

 

 

Minha intenção não era polarizar com o professor de história que  lecionou no CEUD e não sei quando chegou a Dourados. Sei que estive no CEUD primeiro que ele como universitário, prestei vestibular em 23/03/1971, sou da primeira turma de Letras com Inglês. Cursei o primeiro ano aqui e transferi-me para Campo Grande, onde cursei além faculdade o NPOR, tornei-me segundo tenente reservista de artilharia, muito me orgulho do Exército, tendo colado grau na FUCMAT em 1974, hoje UCDB.

 

 

Aproveitei a oportunidade ao escrever o artigo, pois nesses anos Dourados está recebendo pela  quinta vez um presidente eleito que é o Presidente Lula que já esteve aqui por várias vezes. Quanto ao jornalista Sérgio Manuel da Cruz, pernambucano, conterrâneo do Presidente Lula, o conheci quando ele militava no MDB, e já era seu amigo e como disse, trabalhou outrora como jornalista em  Dourados.

 

 

Não se pode negar a ele a apresentação do projeto de criação da Universidade. Tantas foram as pessoas que colaboraram para o movimento e não só as que o professor citou no seu artigo publicado no sábado passado.

 

 

O professor fala em combate à ditadura, mas ela sempre existiu do ponto de vista de cada um e lembrar em ditadura no Brasil hoje, depois das eleições em 1989 é querer mexer em algo que não vale a pena. Houve a anistia ampla e irrestrita e aqueles que se acharam perseguidos, receberam até indenização. O próprio Presidente Lula não fala mais em ditadura, sua candidata também não fala do assunto, isto é um grande avanço.

 

 

No artigo publicado em vários jornais virtuais de Dourados, Fátima do Sul e Campo Grande e  na folha de Dourados, opinião, às folhas 10 que se encontra nas bancas, não citei o nome do professor, pois não era assunto a ser tratado no artigo. Mesmo assim, fui contestado indevidamente em todos os jornais virtuais, por vossa senhoria, professor Wilson Valentim Biasotto que até já se imortalizou, citaste meu nome por duas vezes, assim tenho direito da réplica.

 

 

Nunca estive a serviço de nenhum político e vossa senhoria foi infeliz ao dizer que estou a serviço do deputado federal Geraldo Rezende Pereira que aqui chegou pequenino de Minas Gerais, há mais de 50 anos. A população  tem dito que ele tem boa atuação em todos os municípios de Mato Grosso do Sul, bem como o douradense Marçal Filho e que ambos poderiam retornar para o bem de Dourados.

 

 

Quanto ao ex-Presidente Getúlio, Dourados e a Grande Dourados deve muito a ele e como és professor de história, tens conhecimento de que aqui ele criou a Colônia Federal de Dourados. Os homens de bem que administraram Dourados não se esqueceram dele, ao nominarem a Escola Presidente Vargas, o Distrito de Vila Vargas, a Avenida Presidente Vargas e construído uma estátua em sua homenagem no contorno da avenida que leva seu nome com a Rua Joaquim Teixeira Alves.

 

 

Os nordestinos foram trazidos para cá para abrir a Colônia Federal de Dourados, através do Presidente Getúlio e para se homenagear o colono, foi construído o Monumento ao Colono,  a Estátua do Colono, com o machado na mão que está na Praça batizada de Antonio João.

 

 

Quando sugeri que os dois pernambucanos, o Presidente Lula e Sérgio Cruz fizessem uma homenagem ao pai dos pobres, ex-Presidente Getúlio colocando-se flores ao pé da sua estátua, foi um ato de reconhecimento por tudo que o caudilho fez por nossa Grande Dourados.

 

 

Vamos dar as mãos e pedir ao nosso presidente e à candidata Dilma que sendo eleita, olhe para nossa cidade, pois é mineira e o povo de Minas Gerais trabalha no silêncio.

 

 

Vamos deixar o Ego de lado, o importante é que a UFGD existe em Dourados, como é uma obra que repercute bem, é normal que os políticos queiram reinvidicá-la como filha.

 

 

Agora eu pergunto quem é o pai do quilombo que quiseram implantar na Picadinha a partir de 24 fevereiro de 2005? Esta nós sabemos quem são os pais, não precisa pedir o DNA, vossa senhoria e algumas pessoas que administraram Dourados no segundo mandato anterior têm participação. À página 39 e 40 do referido relatório antropológico, há comentários do historiador, juntamente com outras pessoas que não vale a pena citá-las.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVARDIA
Mulher agride menino autista em playground e vídeo viraliza
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau descobre que Diana luta karatê e fica em choque
ACUMULOU
Ninguém acerta a mega-sena e prêmio acumula em R$ 30 milhões
VIOLENCIA
'Tiro, porrada e bomba': festa em universidade acaba em pancadaria e PM responde com violência
NOVELA GLOBAL
Gabriel confronta Valentina em “O Sétimo Guardião”
ARROCHO
Regra defendida por Bolsonaro tira R$ 1,1 mil por mês das novas aposentadorias
BARBÁRIE
Mulher é presa após atear fogo em cachorro
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Feliciano foi muito rico e ajudou Valentina no passado
SE DEU MAL
Assaltante é morto após fazer idosa de 83 anos refém no Rio de Janeiro
ROUBO MILIONÁRIO
Homens invadem banco, trocam tiros com polícia e fogem com R$ 1 milhão