Menu
RIO_DOURADOS
quarta, 23 de maio de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Leia a crônica "O VELHO E O CÓRREGO" por Gilberto Mendes

6 Jul 2010 - 11h02Por Gilbero

Em pé, ao lado da margem do córrego, o velho homem observava as águas em seu movimento contínuo e intrigante, estava pensativo, entretido consigo mesmo, meditando sobre a vida e todo o seu caleidoscópio de eventualidades – viver é sofrer, pensava, mas, ficar inerte para a vida é mutilar-se, breves filosofias introspectivas.

 

Nunca foi para a vida um grande filósofo, na verdade, nem entendia o que significava esta palavra acadêmica, para ele viver sempre foi ajuntar um dia após o outro, uma experiência após a outra, aprendendo com os dias, aprendendo com as experiências, buscando acertar mais e errar menos.

 

Era um dia de outono, e fazia algum frio.

 

A água corria despejando um barulho com uma sonoridade bela e relaxante. Observou o movimento de alguns pequenos peixes em busca de alimento; perdeu-se por alguns instantes, de olhos fechados no cantar de um pássaro ali perto; a brisa gelada tocou-lhe a face descoberta do rosto e encontrou o calor de um sorriso; sentiu as folhas mortas do chão emprestarem um movimento do vento que soprava; as águas seguiam seu curso, pensou, a natureza seguia seu rumo, o tempo seguia seu fluxo, nada para de verdade, sentenciou.

 

Na estrada, um jovem passou lépido e o cumprimentou. Reconheceu-o, de um tempo longínquo que ficou incrustado no passado, águas que passaram. Devolveu o cumprimento com um aceno de cabeça, estava envolvido com suas próprias coisas, não quis ser indelicado, apenas estava perdido em suas considerações sobre a vida, gostava de se dar este tempo para aprender com suas vivências comparando-as com as demais experiências que colhia ao seu redor. Fazia isso intuitivamente, sem maiores alardes, sem exibições, sem reflexões filosóficas, apenas sentindo a necessidade de se envolver com a própria vida.

 

Pensou na sua existência, tentando perceber seus ganhos. Não era rico, estava longe disso, muito longe. Não tinha conseguido grandes estudos, mal e mal assinava o próprio nome. A família era pobre e estava distribuída pelo mundo, cada qual tentando vencer do seu jeito, honestamente. Mas, entendia que ele tinha alguma importância para todo o contexto, pois olhou a água que passava e que acabara de mover o moinho; sentiu novamente o cantar do pássaro que alegrara seu coração e de muitos outros mais mundo afora; viu o vento mover as folhas, o que seria das folhas sem o vento? Diante da simplicidade de todas as coisas e a importância que elas demonstravam ter na natureza, teve a certeza de que também ele, veio ao mundo para construir algo de bom – sentiu-se importante com essa sugestão, e a impotência que o pensamento original sugeriu desvaneceu-se feito nuvem de pó.

 

Partiu!

 

O córrego ficou para trás assim como todos os pensamentos que se foram levados pelo regato do tempo. O tempo é como o rio, a água que vai, não volta mais; segundos que moveram o moinho da vida, não voltam mais. Sorriu, admirando-se com a própria sabedoria.

 

                                                              

 

Entrou em casa e sua velha o aguardava frente ao fogão de lenha, tirando uma velha chaleira do fogo e servindo-o uma quente xícara de café.

 

- Por onde andastes, meu velho, estava preocupada...

 

Ele sorriu, sem responder, ao testemunhar a importância que a velha, o amor de sua vida tinha para ele. Assim como ela nascerá para ele, ele, de sua parte, nascerá para fazê-la feliz. E tomou um generoso gole de café, antes de dar um beijo na face de sua amada de toda uma vida.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Bruna Marquezine aos olhos de Neymar: craque registra a namorada nos bastidores
BRUTALIDADE
Jovem é assassinada com mais de 10 tiros de calibre 12 e pistola
MONSTRUOSIDADE
Criança de 10 anos é estuprada e morta em casa
FÁTIMA DO SUL - 1º NO ESTADO DO MS
Fátima do Sul ganha primeiro condomínio aeronáutico do Sul do Estado do MS
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Roberval reaparece milionário depois de 18 anos
DESUMANIDADE
Elas ficam até morrer
NOVELA GLOBAL
'Segundo Sol': Luzia marcará programa com Ícaro
APOCALIPSE
Isabela tenta enganar o irmão ao dizer que fugiria com ele, mas Benjamin nota a farsa
A CASA CAIU
Dois militares do Exército são presos em carro com armamento pesado
PANCADARIA
Carinho íntimo em praia acaba em confusão e guarda joga areia em mulher; veja vídeo