Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 17 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Leia a coluna “O cocô do passarinho”, por A. J. Rettenmaier

6 Ago 2010 - 18h00Por A. J. Rettenmaier

O COCÔ DO PASSARINHO 

 

 

 

 

 

Certamente vocês dirão que está faltando inspiração para que resolva escrever sobre o cocô de um passarinho. Ou melhor, vamos falar então do cocô dos passarinhos, porque dificilmente nos damos conta de que seja de que espécie for, o trabalho simples do mais simples dos pássaros, é o maior responsável de ainda termos algum oxigênio para respirar. E nós bem que temos tentado acabar com eles, mas ainda, prestem atenção nisto, ainda, não conseguimos.

 

Nossos amigos têm a mania de todos os dias ingerirem todos os tipos de frutas, brotos, e sementes, até incomodando quando devoram nossas laranjeiras, bergamoteiras, ameixeiras, macieiras, pitangueiras, amoreiras e tantas outras. Mas, de repente e quando menos esperamos, encontramos em algum terreno baldio ou mata mais fechada, ou até mesmo em nosso jardim, horta ou quintal, uma árvore frutífera, para lá levada no cocô do passarinho.

 

Nós, os poderosos seres humanos, normalmente somos incapazes de registrar ou reconhecer a importância desse cocô, mas somos capazes de criar nuvens, que deixamos cada dia mais carregadas, mais densas e pesadas, que se transformarão para nossas vidas verdadeiras tempestades, que quando desabam sobre nossas cabeças, somos ainda capazes de reclamar e perguntar com o ar de inocente, de onde saíram tantos raios? Quando as nuvens nos caem, somos capazes de ainda com ar de tristeza e revolta dizer... É... Está chovendo!

 

Mesmo envoltos no temporal de nossas próprias nuvens e descargas de nossos caprichados raios, somos capazes de perguntar por que a tempestade cai sobre nós e ninguém mais!

 

Apesar de tudo isto, como seres humanos inteligentes e esquecidos que somos, temos a capacidade de ainda conseguir ignorar aquele passarinho que em algum momento de algum dia de nossas vidas, fez cocô nas nossas cabeças, e as limpamos sem dar a importância, que agora sentimos que teria.

 

Se algum passarinho fizer cocô na sua cabeça, lembre que pode haver ali uma semente para o seu futuro.

 

 

 

Antonio Jorge Rettenmaier, Escritor, Cronista e Palestrante, membro da AGEI, Associação Gaúcha dos Escritores Independentes. Esta coluna está em 70 jornais impressos e eletrônicos do Brasil e Exterior.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

OUTROS 10 ESTADOS
Horário de verão termina à meia-noite; relógios devem ser atrasados em 1h
BARBÁRIE
Rosane Santiago Silveira, torturada e morta em sua própria casa
CARRO DE APLICATIVO
Mulher é estuprada após aceitar água e bala em carro de app
VIOLENCIA DOMESTICA
Enquanto Lírio Parisotto era condenado, Luiza Brunet discutia campanha contra violência doméstica
CANALHA
Criança de 4 anos é estuprada no próprio aniversário
HORARIO DE VERÃO
Atrase seu relógio! Horário de verão termina neste sábado(16)
CARCERE PRIVADO
Mulher é chicoteada com fio elétrico pelo marido
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Lutador de MMA mata ex de 16 anos, tenta suicídio e morre horas depois em hospital
VIOLENCIA NO RIO
Menina de 11 anos é baleada e morta em Triagem; moradores protestam
DOENÇA GRAVE
Leiliane ganha acompanhamento médico após desastre com Boechat