Menu
LIMIT ACADEMIA
sexta, 18 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Lei Kandir: MS pede R$ 222 milhões para 2005

15 Out 2004 - 10h55
Mato Grosso do Sul pede R$ 222 milhões para 2005, referentes à desoneração pelas perdas da Lei Kandir dentro de um bolo de R$ 18 bilhões pleiteados por todos os Estados em nota técnica ratificada e endossada por todos os secretários de Fazenda, encaminhada ao Ministério da Fazenda. O valor corresponde às perdas de junho de 2003 a junho deste ano e representa quatro vezes mais que os R$ 4,3 bilhões que estão sendo ressarcidos este ano, dos quais R$ 900 milhões repassados pelo fundo de estímulo às exportações.
O que aflige os Estados agora, segundo o assessor de Política Econômica e Tributária da secretaria Miguel Marcon, é incluir os recursos do Fundo de Compensação Rubricados para repasse no próximo ano, uma vez que o texto do orçamento da União nem sequer contempla ainda os ressarcimentos. Por isso, os governos estão se empenhando em gestões através de seus secretários, junto ao governo, e de suas bancadas, no Congresso, para que sejam assegurados os recursos.
Marcon explica que dos R$ 18 bilhões, R$ 10 bilhões são referentes a não tributação dos bens ativos (medida adotada para desonerar máquinas e equipamentos e reduzir custos de produção) e R$ 8 bilhões referentes à desoneração de produtos primários e semi-elaborados destinados à exportação. “É bem provável que o governo questione o método do cálculo de perdas ou mesmo argumente que não há recursos suficientes”, admite Marcon.
O ressarcimento no caso de Mato Grosso do Sul tem sido de 45% a 55%. Propondo os R$ 18 bilhões, o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) espera chegar a pelo menos R$ 9 bilhões, que significariam ao Estado R$ 111 milhões, considerando sua participação no bolo de 1,234%. Isso significa 94,22% a mais que os R$ 57,15 milhões deste ano, já incluindo o repasse do fundo de estímulo às exportações.
O governo estadual também questiona essa participação, que espera que seja revista pela EC (Emenda Constitucional) nº 42, aprovada no ano passado e que deve estipular novos coeficientes. “Não estamos satisfeitos achamos que não atende às nossas perdas”, afirma Marcon, lembrando que por sua base econômica o Estado é bastante prejudicado. A soja, que é isenta do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Serviços e Mercadorias) nas exportações é o carro-chefe na balança. Enquanto não vem uma nova lei complementar, porém, o índice de participação do Estado permanece, podendo ser o mesmo até 2006.
Por Medida Provisória, a participação específica no fundo de estímulo às exportações, que totalizou R$ 900 milhões no País este ano, foi maior, de 1,69%, assegurando R$ 15,2 milhões ao Estado.
 
 
 
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'