Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Lei do Rateio: Resende elogia procurador da República

8 Out 2004 - 12h36

O deputado federal Geraldo Resende (PPS-MS) disse que o procurador-geral da República Cláudio Fonteles mostrou, mais uma vez,  seu comprometimento com os avanços na área de saúde, ao ajuizar Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN 3320) contra a chamada Lei do Rateio - Lei 2.261/01 -, criada pelo governo do Estado de Mato Grosso do Sul.

       No ano passado, a atuação do procurador foi fundamental na vitória da luta pela recomposição do Orçamento Geral da União-2004  quando o presidente Lula pretendia retirar R$ 3,57 bilhões da saúde para aplicar no Programa Fome Zero. Na época, Fonteles recomendou ao governo federal mudanças na proposta orçamentária encaminhada ao Congresso, para garantir a observância à Emenda Constitucional 29.

       Para Geraldo Resende, o trabalho do procurador da República em Mato Grosso do Sul, Alexandre Gravonski, também está sendo de fundamental importância nessa luta, já que foi ele quem fez a representação ao procurador-geral da República que resulton na ADIN 3320.

       No primeiro semestre deste ano, junto com entidades ligadas à saúde, Geraldo Resende impetrou Ação Popular onde solicita devolução para a saúde de todo os recursos retirados da saúde desde o ano de 2002. Este material subsidiou a atuação de Gravonski e a ADIN apresentada por Cláudio Fonteles.

       Segundo levantamentos feitos por Geraldo Resende, para sustentar a máquina administrativa, o governo de MS “apropriou-se”, com base na “Lei do Rateio”  de mais de R$ 21 milhões do orçamento da saúde de 2002.

       Em 2003, o montante desviado é de cerca de R$ 40 milhões. Em 2004, a subtração prevista da saúde é superior a R$ 19 milhões durante todo o ano, mas somente no primeiro semestre essa retirada já está próxima de R$ 27 milhões.

       Os mesmos estudos apontam que parte desses recursos estão sendo utilizados no custeio de passagens e despesas com locomoção do governador e sua equipe, pagamento de diárias, material de consumo, obrigações patronais, além da rubrica “Outros serviços de Terceiros – Pessoa Jurídica”, e “Vencimentos e Vantagens Fixas – Pessoal Civil” da Secretaria de Receita e Controle, entre outras.      

       Com a recomposição, afirma o parlamentar, haverá mais recursos para o Estado socorrer os hospitais que se encontram em dificuldades, como a Santa Casa de Campo Grande, o hospital Nossa Senhora Auxiliadora, de Três Lagoas, o Evangélico de Dourados, entre outros, além de um melhor atendimento na rede básica, com maior oferta de remédios, exames especializados e programas preventivos, bem como a conclusão de hospitais que estão sendo construídos há mais de dois anos em Coxim, Nova Alvorada do Sul e Glória de Dourados.

 

 

 

Fátima News

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho