Menu
SADER_FULL
quinta, 17 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Juvêncio desmente alegação de Puccinelli

23 Set 2004 - 14h39
O senador e ex-prefeito Juvêncio César da Fonseca (PDT-MS) informou que em suas duas gestões na Prefeitura de Campo Grande sempre adotou uma política tributária cujo critério central era não penalizar as pessoas mais pobres e praticar uma realidade fiscal a mais justa possível. Lembrou que no mandato mais recente (1993-1996) chegou a ser criticado na Câmara de Vereadores quando decidiu aplicar o coeficiente social na contribuição de melhoria, amparando-se, sobretudo, no princípio da Constituição Federal que determina o respeito à capacidade contributiva do cidadão.



“Se existe a lei determinando a cobrança, o Município tem que cobrar. Mas a lei também assegura ao prefeito o poder de tributar o contribuinte de acordo com suas possibilidades. Quando apliquei o coeficiente social, e cito como exemplo o caso dos moradores do Jóquei Clube, alguns vereadores diziam que eu estaria cometendo crime de responsabilidade porque a cobrança era obrigatória. Ora, a Constituição obriga a cobrar, mas de acordo com a capacidade contributiva das pessoas”, afirma.



Segundo Juvêncio, é falsa a alegação de que a prefeitura cobrava dos moradores 80% do custo asfalto implantado. A versão foi dada pelo atual prefeito, André Puccinelli (PMDB). Reagindo aos questionamentos populares contra a carga fiscal do município, Puccinelli declarou ao site campograndenews que antes de sua administração a prefeitura cobrava dos contribuintes 80% do custo do asfalto e que hoje cobra apenas 50%.



Essa declaração foi rechaçada categoricamente por Juvêncio, cuja administração antecedeu a do atual prefeito. “Trata-se de manifestação que não corresponde nem um pouco à verdade. Isso nunca ocorreu na minha administração. Ao contrário: basta checar todos os registros da imprensa e dos anais legislativos para ver que em nossa gestão o critério fiscal mais importante foi o de buscar a justiça fiscal, preservando a capacidade contributiva das pessoas. Tem muita gente que não paga porque não pode pagar e o poder público responsável pela cobrança precisa ter sensibilidade e discernimento para respeitar essa realidade e sem ferir a lei. Como já disse, basta ter sensibilidade e discernimento”, enfatiza Juvêncio, que foi prefeito de 1989 a 1992 sendo reeleito para o mandato seguinte, de 1993 a 1996.
 
 
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'