Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 23 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Juros para o consumidor voltam ao menor nível desde 1994

22 Set 2010 - 18h15

As taxas de juros dos empréstimos para pessoas físicas voltaram a recuar em agosto e atingiram novamente o menor valor da série iniciada pelo Banco Central em julho de 1994. A taxa média recuou de 40,5% para 39,9% ao ano.

A redução na taxa média se deve ao efeito estatístico causado pelo aumento da participação de linhas "mais baratas", como crédito consignado no total das dívidas dos brasileiros.

Para as empresas, a taxa subiu novamente, de 28,7% para 28,9% ao ano, maior nível desde março de 2009.

A taxa média (PF+PJ) recuou de 35,4% para 35,2% ao ano, mas ainda está acima do verificado no início do ano.

A taxa de inadimplência geral recuou para 4,8%, a menor desde janeiro do ano passado. Para pessoas físicas, caiu para 6,2%. Para empresa, ficou estável em 3,6%.

O saldo das operações de crédito subiu 2,2% no mês, percentual mais alto desde julho de 2009, e chegou ao valor novamente recorde de R$ 1,58 trilhão (46,2% do PIB). Em 12 meses, o crescimento é de 19,2%.

Mais uma vez o crescimento foi puxado pelo crédito direcionado, que inclui os empréstimos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) a empresas e da habitação para pessoas físicas, que têm juros subsidiados.

CONSIGNADO

A participação dos empréstimos consignados no crédito pessoal cresceu pelo terceiro mês seguido e chegou a 60,7%.

Esses empréstimos somavam R$ 129,7 bilhões em agosto, sendo que R$ 111,4 bilhões estão direcionados para funcionários públicos e aposentados do INSS.

Os juros do consignado caíram no mês passado para 26,4% ao ano, abaixo dos 55,3% praticados em outras modalidades de crédito pessoal.

CRÉDITO

O Banco Central aumentou a previsão de crescimento do crédito em 2010 de 20% para 22%. De acordo com a instituição, a revisão se deve aos resultados verificados nos últimos três meses, que vieram acima do estimado anteriormente.

A instituição também avalia que o desempenho será liderado pelos bancos públicos, como Banco do Brasil, Caixa e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), cuja taxa de expansão foi revisada de 20% para 24%.

Os bancos privados nacionais, por outro lado, tiveram a expectativa de expansão revista de 24% para 22%. Os estrangeiros que atuam no país devem aumentar sua carteira de crédito em 14%, ante 9% previsto anteriormente pelo BC.

O saldo das operações de crédito subiu 2,2% em agosto desde ano, percentual mais alto desde julho de 2009, e chegou ao valor novamente recorde de R$ 1,58 trilhão. Em 12 meses, o crescimento é de 19,2%.

A expectativa do BC é que o crédito passe dos atuais 46,2% para 48% do PIB até o fim do ano.

No mês passado, mais uma vez, o crescimento foi puxado pelo crédito direcionado, que inclui os empréstimos do BNDES a empresas e da habitação para pessoas físicas, que têm juros subsidiados.

A previsão para crescimento do crédito direcionado passou de 26% para 30%. Para o restante do crédito, subiu de 17% para 18%.

Dados preliminares para os dez primeiros dias de setembro mostram um crescimento de 2,2% no crédito, sendo 2,4% para pessoas físicas e 2,0% para empresas.

"O crescimento maior previsto reflete a incorporação do que vem ocorrendo nos últimos meses, uma elevação mais acentuada do crédito", disse Túlio Maciel, chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico