Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Juros dos bancos aumentam para empresas

26 Out 2004 - 15h23
Os bancos cobraram mais caro pelos empréstimos no mês de setembro, quando o custo médio do dinheiro chegou a 45,1% ao ano, com aumento de 1,2 ponto percentual sobre os 43,9% ao ano cobrados no mês anterior. As empresas pagaram mais caro, por causa das operações de crédito vinculadas a recursos externos, sobre as quais pesa a expectativa da oscilação cambial, que evoluiu 3,4 pontos percentuais.

As informações foram dadas hoje pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, ao comentar o relatório de Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro, referente ao mês de setembro. Segundo o relatório, os juros para as pessoas físicas se mantiveram estáveis no mês, com evolução de apenas 0,1 ponto percentual, ao passo que para as pessoas jurídicas o aumento chegou a 1,6 ponto percentual.

Os custos para empréstimos pessoais se mantiveram estáveis, por causa da evolução de 5,8% no volume de créditos consignados em folha de pagamento, que pagam em torno de metade dos juros bancários normais. Ele advertiu, contudo, que "já se registra aumento dos juros nos primeiros dias de outubro. Tanto para empresas quanto para operações pessoais". Mas não citou índices.

Em setembro, as pessoas físicas pagaram 140,6% no cheque especial (mesmo patamar de agosto), 73,9% no crédito pessoal (73,8% no mês anterior), 35,7% na aquisição de veículos (36,3% em agosto) e 60,6% em financiamentos de produtos eletroeletrônicos. Este item teve o maior avanço, de 1,8 ponto percentual, sobre o mês anterior, já por conta de compras de fim de ano.

As empresas pagaram custo igual, de 40,2%, para desconto de duplicatas, e tiveram ligeiras reduções de 0,4 ponto percentual para desconto de promissórias e de 0,9 ponto percentual para capital de giro. Os empréstimos da conta garantida ficaram mais altos em meio ponto percentual, passando de 65,4% para 65,9%.

O aumento maior foi em função do "spread" (diferença entre o que os bancos pagam na captação e o que cobram no financiamento) fixado para as pessoas jurídicas, que passou de 28,8%, em agosto, para 30,4%. Mesmo assim, ainda é menos da metade do "spread" de 63,2% cobrado das pessoas físicas.

Apesar do encarecimento do dinheiro, as operações de crédito no mês passado somaram R$ 460,3 bilhões, com expansão de 1,4% sobre o mês anterior e de 12,3% no ano. O resultado de setembro refletiu, principalmente, o aporte de recursos para formação de estoques para as vendas de fim de ano e o custeio e financiamento da safra agrícola, conforme explicou o economista do BC.

Do volume de recursos contratados de R$ 280,4 bilhões (61%) são de bancos privados, que tiveram incremento de 1,8% no mês e de 15,3% no ano. A atuação foi mais expressiva que a dos bancos oficias, responsáveis por R$ 179,9 bilhões (39%) dos empréstimos, que tiveram expansão de 0,8% no mês e de 7,9% no ano. No cômputo geral, a ênfase para os financiamentos de setembro foi para as pessoas físicas (mais 2,6%), comércio (+ 3,3%) e setor rural (+ 2,1%).
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

RAIVA HUMANA
Morte de turista por raiva humana é confirmada em Ubatuba
NOVELA GLOBAL
Valentim sofre grave acidente de carro
INACEITAVEL
Mãe de jovem morto no Rio: “É um Estado doente que mata criança com roupa de escola”
HAJA CORAÇÃO
Neymar é o autor do gol mais tardio, em tempo normal, de uma Copa na história
COPA DO MUNDO
No sufoco, Brasil supera a Costa Rica e consegue primeira vitória na Copa do Mundo
NOVELA GLOBAL
Segundo Sol: Rosa coloca fim em relação com Ícaro e ele toma atitude
SAUDE
Mulher dá a luz em calçada no Cajuru
FAMOSIDADES
Ex-apresentadora do ‘Vídeo show’, Alinne Prado sofre assalto a mão armada dentro de casa
RELIGIÃO
Padre é flagrado dando tapa em criança durante batismo
APOCALIPSE
André (Sidney Sampaio) é assassinado por Ricardo (Sérgio Marone)