Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 21 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Juiz manda prender homem que gerenciava contas de Arcanjo

30 Jun 2004 - 08h38
 

O juiz federal Julier Sebastião da Silva determinou a prisão temporária do uruguaio Eduardo Labella, acusado de auxiliar o bicheiro João Arcanjo Ribeiro no esquema de lavagem de dinheiro no Uruguai e na Suíça. Labella foi gerente das contas do bicheiro no Deutsche Bank, em Montevidéu e em Genebra, e no BankBoston da capital suíça, cidades onde segundo o Ministério Público Arcanjo e seu grupo operavam um grande esquema de lavagem de dinheiro.

Segundo apurou o procurador da República Pedro Taques, inicialmente Eduardo Labella era o gerente das contas de Arcanjo no BankBoston de Montevidéu. Quando se transferiu para o Deutsche Bank ainda na capital uruguaia, o bicheiro passou a operar nesse segundo banco. Tempos depois, o Deutsche Bank o transferiu para a agência de Genebra, coincidentemente onde Arcanjo viria a fazer investimentos.

O inquérito policial que investigou o esquema de lavagem de dinheiro descobriu que Arcanjo fraudava empréstimos bancários para a sua principal financeira, a Confiança Factoring, através dos dois bancos estrangeiros. Os empréstimos eram avalizados por duas off shores uruguaias, a Aveyron e a Lyman, que na verdade pertenciam a Arcanjo. Assim, o empréstimo era liberado para o Brasil e pago imediatamente pelas duas off shores, que se utilizavam de dinheiro enviado ilegalmente para o Uruguai.

Acredita-se que esse montante fosse procedente de jogos ilegais e corrupção em Mato Grosso. O decreto de prisão provisória de Labella tem validade de cinco dias a partir da sua prisão, que deverá ocorrer em breve, já que a Justiça tem informações do Serviço de Inteligência do Ministério Público de que ele estaria em solo paranaense. Em sua decisão, o juiz Julier da Silva argumenta que há fortes evidência de que Labella era o braço da organização criminosa dentro das instituições, posto que as operações criminosas tinham a “colaboração efetiva” dos bancos.

Segundo ele, o modus operandi era “calcado em contratos fraudados e outras maquiagens destinadas a dar aparência de regularidade às operações financeiras simuladas”. O juiz acredita que além do Deutsche Bank, outras instituições financeiras estariam dando suporte a inúmeras operações ilícitas de envio de valores para o exterior. Para o Ministério Público e para a Justiça Federal de Mato Grosso, a prisão de Labella é considerada “imprescindível” à conclusão do inquérito que investiga sua conduta à frente das contas bancárias.

“Até para que possa ser localizado e ouvido pela autoridade policial”, escreveu o juiz. Até porque não se sabe ao certo o paradeiro de Labella, que se supõe estaria vivendo no Paraná. Ao final da decisão, o juiz também requisita à CPI do Banestado cópias dos documentos relativos aos funcionários e operações irregulares patrocinadas pelo BankBoston e Deutsche Bank, que configurem, em tese, crimes de lavagem de dinheiro e contra o Sistema Financeiro Nacional. As informações são do jornal Diário de Cuiabá.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TERRORISMO
Bolsonaro sofre ameaças de morte em vídeos na internet
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros