Menu
SADER_FULL
sábado, 24 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Japão anuncia compra de manga brasileira após 27 anos

16 Set 2004 - 15h42
O primeiro-ministro do Japão, Junichiro Koizumi, informou nessa quinta-feira (16-09) ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a abertura do mercado japonês para a manga brasileira após 27 anos de negociações entre os países.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues, comemorou a decisão do premiê japonês. “Essa abertura é muito emblemática, simbólica para nós. A medida sinaliza uma nova fase das relações comerciais agrícolas entre Brasil e Japão”, diz. O ministro tratou pessoalmente deste assunto com representantes do governo japonês em três viagens que fez ao país desde 2003 – a última delas no fim de maio deste ano. “Há 20 anos, quando ainda era dirigente cooperativista, já lutava por essa abertura do mercado japonês para a nossa fruta”, lembra Rodrigues.

A abertura do mercado do Japão significará um substancial aumento na produção de manga no pólo de fruticultura irrigada do Vale do São Francisco, avalia Rodrigues. A última barreira superada nas negociações foi o tratamento pós-colheita da fruta. O procedimento adotado pelo Brasil inclui a lavagem da fruta com água quente para evitar a presença de larvas e ovos da mosca do mediterrâneo, além do tratamento com hipoclorito para matar bactérias. A fruta é vendida por cerca de US$ 18 no mercado japonês.

O ministro Rodrigues argumenta que essa abertura simboliza uma nova fase nas relações comerciais nipo-brasileiras. “Esperamos que agora, a partir dessa abertura emblemática para a nossa manga, comece uma terceira fase nessas relações por meio da adoção dos biocombustíveis à base de etanol e biodiesel no Japão”.

Ele lembra que a imigração japonesa foi fundamental para a implantação e a expansão do agronegócio no Brasil. “Os japoneses trouxeram novas tecnologias de produção e introduziram fortes noções de associativismo e cooperativismo no Brasil. Além disso, os recursos do governo do Japão foram fundamentais para financiar a abertura de novas áreas agrícolas em nossos Cerrados”, afirma.

Biocombustíveis

O ministro está otimista com a receptividade dos japoneses ao projeto apresentado pelo Brasil, no início deste ano, para obter financiamento à pesquisa de biocombustíveis. Na última terça-feira (14-09), o primeiro-ministro japonês visitou, a convite de Rodrigues, a planta industrial de uma usina de açúcar e álcool na região de Ribeirão Preto (SP). Lá, Koizumi também sobrevoou lavouras de cana-de-açúcar, café e laranja. “Essa visita também foi simbólica”, diz Rodrigues. Segundo ele, o premiê pôde ver de perto o “mar de cana” e os “rios de álcool” que o Brasil produz, além do imenso potencial do país para o futuro próximo.

Em março deste ano, o Japão autorizou a adição de até 3% de biocombustível à gasolina. Rodrigues calcula que a medida poderá representar uma demanda de 10 bilhões de litros de álcool por ano naquele mercado. Para atendê-la, o Brasil precisaria aumentar em pelo menos 2 milhões de hectares a área de plantio de cana-de-açúcar. “Por isso, é necessário discutir com o Japão a questão de preço e de logística de transporte e armazenagem do produto”.
 
 
Ministério da Agricultura

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção