Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Ivan deve se defender amanhã na tribuna da Assembléia

18 Jun 2007 - 09h00

O deputado estadual coronel Ivan de Almeida (PSB) deve se defender nesta terça-feira, como prometera, na tribuna da Assembléia Legislativa sobre seu suposto envolvimento com a máfia dos caça-níqueis em Mato Grosso do Sul, desbaratada pela Polícia Federal por meio da Operação Xeque-Mate.

Até agora, o parlamentar negou as acusações por meio de nota distribuída à imprensa na semana passada, alegando não ter ligações com a operação criminosa que coloca Mato Grosso do Sul no eixo-central da quadrinha que movimentava milhões com casa de jogos denominada caça-níqueis.

Há dias, o coronel, que foi comandante-geral da Polícia Militar durante a administração do governador Zeca do PT, foi flagrado em conversa telefônica combinando o recebimento de dinheiro como parte de seu envolvimento com a máfia.

A situação de Ivan de Almeida piorou após relatório divulgado no fim-de-semana pela Polícia Federal dando conta que o deputado socialista explorava o chamado “jogo de azar” para obter dividendos financeiros.

A Polícia Federal, segundo notícia divulgada pelo jornal Nacional, da Rede Globo, no sábado, desvendou o organograma da máfia dos caça-níqueis, que tinha cinco ramificações. No inquérito, que está sendo examinado pelo Ministério Público Federal (MPF), relatório sobre o esquema aponta como agia cada um dos indiciados.

Segundo as investigações da PF, o grupo do ex-deputado Nilton Cézar Servo, era o que mais faturava com o jogo ilegal. No organograma montado pela PF, aparece Ivan de Almeida, acusado de integrar um dos grupos.

Em gravações interceptadas com autorização da Justiça, o parlamentar  aparece cobrando mais participação no faturamento dos caça-níqueis e ameaça retirar 12 máquinas que seriam suas.

Durante os seis meses de investigações a polícia descobriu que o funcionamento da máfia dos caça-níqueis tinha uma estrutura organizacional.

Peças contrabandeadas ou importadas com aparência legal. Colocação do programa, o coração da máquina, em São Paulo. E montagem dos caça-níqueis em Mato Grosso do Sul. Segundo a polícia, era assim que operava a Multiplay – uma das gigantes do jogo no Brasil.

A Multiplay é de Raimundo Romano – foragido da Operação Xeque Mate. A investigação apurou que, para negociar as máquinas, a Multiplay usava a sentença favorável à exploração do jogo de outra empresa: a Paradise Games, de Alfredo Cursino, preso na operação.

De acordo com a polícia, os dois eram os fornecedores do ex-deputado Nilton Servo. Em Mato Grosso do Sul, Nilton tinha o apoio de um advogado. Em Porto Velho, contava com o sobrinho. Em Curitiba, o sócio era um dos filhos. No litoral de São Paulo, dividia os lucros com Dario Morelli – identificado como o responsável pelo pagamento de propinas a policiais.

Nos quatro estados, o grupo faturava uma montanha de dinheiro: R$ 7,5 milhões por mês, diz a investigação. As outras organizações, de acordo com a polícia, arrecadavam entre R$ 900 mil e R$ 1,5 milhão por mês. Uma delas tinha como integrante o deputado estadual e ex-comandante da PM Coronel José Ivan de Almeida, e agia em Campo Grande. Outra, concentrava os negócios em cassinos no Paraguai. 

Nos últimos seis meses, foram apreendidos mais de mil caça-níqueis em Mato Grosso do Sul. E isso seria apenas 10% de todas as máquinas no estado. Uma parte continua em funcionamento. E a grande maioria, segundo a Polícia Federal, foi escondida pela máfia. Neste sábado, em Campo Grande, a polícia voltou a recolher caça-níqueis. O homem que fazia a manutenção delas e o dono do bar foram detidos. (Com TV Morena).

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos