Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 18 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Isenção da Cofins é um avanço ao agronegócio, diz Moka

8 Jul 2004 - 13h03
 

O deputado federal Waldemir Moka (PMDB-MS), ex-presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural da Câmara dos Deputados, considerou “muito boa” a aprovação, ontem, da medida provisória que isenta da Cofins vários produtos da agroindústria. O deputado, que participou de todas as negociações com o governo federal, acredita que os custos de produção do setor serão reduzidos a partir do momento em que a medida entrar em vigor, mas, antes disso, a matéria terá que passar pelo Senado e só depois chegar ao Palácio do Planalto.

Moka lembra que os avanços conquistados pelo agronegócio não podem parar nos termos da MP. Segundo ele, o Governo deve dar mais atenção ao setor, que tem sustentado a pauta de exportações brasileiras. “Avançou-se bem, mas não podemos parar, pois o setor precisa reduzir seus custos para aumentar a competitividade”, diz o parlamentar. Entre as medidas aprovadas pela Câmara dos Deputados está a redução a zero da alíquota para rações balanceadas, concentrados e suplementos minerais usados na alimentação animal. Essa mudança, segundo Moka, só foi possível graças à mobilização da bancada de deputados que apóiam o setor rural na Câmara.

“A movimentação foi forte no sentido de fazer com que a maioria do Plenário aprovasse as medidas em benefício do campo”. Segundo Moka, a bancada do PMDB foi liberada para votar a emenda apresentada pelo PFL, o que levou o Governo a ser derrotado. “Pedi ao líder do meu partido (José Borba-PR) para liberar os deputados, e isso aconteceu, felizmente”, comemora Moka. Outra mudança feita na MP é a extensão do crédito presumido da Cofins, que evitará o aumento da alíquota do imposto no sistema não-cumulativo.

A idéia da proposta foi reduzir as perdas dos produtores com o aumento da alíquota da Cofins, que passou de 3,65% para 9,26%. Os parlamentares conseguiram aprovar ainda a extensão do crédito presumido de 60% para produtos de origem animal e de 35% para os vegetais. Alguns produtos da cesta básica, como arroz, o feijão e a farinha de mandioca também ficarão isentos do Pis e Cofins. “Diante disso, é que entendemos que a MP foi muito boa para todos, para a agroindústria e sociedade em geral”, comentou Moka. “A carga tributária sobre esses produtos será bem menor”.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

A QUE PONTO CHEGAMOS
Mãe mata o próprio filho após ser flagrada com amante pelo menino
MINÍSTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Tereza Cristina anuncia seis secretários para Ministério
FAMOSIDADES
Silvio Santos se pronuncia sobre polêmica com Claudia Leitte e reage a campanha feminista
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'