Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 18 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Investimento no pólo gasquímico é de US$ 1,3 bilhão

12 Jul 2004 - 14h45
 “O polo gasquímico é um dos melhores projetos do Brasil”, assim o senador Delcídio do Amaral definiu a implantação do pólo que deve ocorrer até 2010, durante apresentação do estudo de viabilidade feito pela Petrobras hoje pela manhã no auditório da governadoria. O estudo leva em conta fatores como análise estratégica, disponibilidade de matéria-prima. Segundo ele, o investimento de US$ 1,3 bilhão necessário para a instalação do pólo se paga em 5 anos, caso haja financiamento. O retorno anual caso haja financiamento é de 23,4%, enquanto sem o financiamento, é de 16,3%. “Os números mostram que o projeto é altamente viável e sólido”, analisou.

Delcídio do Amaral afirmou que a viabilização econômica e técnica do projeto ocorre na região de Corumbá principalmente pelo preço do gás boliviano, que será comercializado na região por US$ 1,4 por milhão de BTUs, o mesmo preço comercializado na Bolívia e bem mais em conta que os US$ 3,3 que vale para o resto do Brasil. Segundo o senador, serão usadas máquinas apropriadas para a instalação da termelétrica em Corumbá, que viabilizará o pólo. Somente a instalação da termoelétrica gerará cerca de 700 empregos. “O pólo será um fator multiplicador de trabalho na região, e um dos principais desafios é preparar a mão-de-obra local para as empresas que devem se instalar para o uso da matéria-prima fabricada através da separadora de gás”, afirmou.

A escolha da fronteira entre Brasil e Paraguai na região de Corumbá para a instalação do pólo ocorre também pela necessidade de mercado, disponibilização de matéria-prima (gás natural), melhor uso do gás boliviano, descentralização industrial, desenvolvimento da região de baixo nível de industrialização. Conforme o projeto, o principal produto a ser fabricado no pólo é o polietileno, matéria-prima da indústria de plástico de onde são fabricados produtos como tubos, filmes, utensílios e embalagens. A princípio, o polietileno será consumido em São Paulo (75%); Exportação (15%); Bolívia (8%) e Mato Grosso do Sul (2%).

O estudo ainda indica que a partir de 2010, o país começa a ter déficit de polietileno; outro fator que justifica a instalação do pólo gasquímico na região de Corumbá. A separadora de gás, que também faz parte do projeto, vai produzir o GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), usado nos botijões de gás, com capacidade para produzir 390 mil toneladas ao ano. O Cracker irá transformar o etano em eteno (possibilidade da produção chegar a 750 mil toneladas ao ano) para a fabricação de 540 mil toneladas de polietileno anualmente. O estudo prevê ainda a importação de eteno da Argentina para suprir as necessidades do pólo. O consumo de gás no pólo será de 5 milhões de metros cúbicos por dia.

A amônia e uréia, produtos usados para a fabricação de fertilizantes, também serão subprodutos no pólo gasquímico e devem, inclusive impulsionar o setor agrícola do Estado, segundo prevê o senador. Ainda estão em discussão a maneira de como a amônia e a uréia serão produzidos: se através do gás natural ou do hidrogênio. A produção de uréia pode chegar a 300 mil toneladas ao ano.

Delcídio do Amaral lembrou dos investimentos do Governo Popular na infra-estrutura viária, principalmente no trecho da ferrovia entre Corumbá e Campo Grande e o acesso rodoviário ao pólo, essenciais para a viabilização do projeto. “A longo prazo, a infra-estrutura viária deverá receber mais investimentos”, disse.


Empregos - Durante a apresentação do estudo, o senador Delcídio do Amaral citou a geração de empregos durante a construção do pólo, que deve chegar a 6 mil. Entre salários e benefícios, a previsão é de que sejam gerados US$ 6 bilhões em um prazo de 15 anos ao longo da implantação do projeto. Outro grande desafio frisado pelo senador para a implantação do pólo gás-quimico é a questão ambiental, na qual a previsão para a liberação da licença é de dois anos. “A Petrobrás já começa a fazer os estudos de impacto ambiental e a principal preocupação é com a preservação da região pantaneira”, disse.

Conforme o cronograma elaborado pela Petrobrás, no quarto trimestre de 2009 o pólo entra em operação e o funcionamento da separadora será feito antes desse prazo. Os principais sócios do projeto, que tem no comando a Petrobrás, são: a Copagás (separadora) e a Repson (Espanha), Brasquem e IPFB (Bolívia). O senador lembrou que há cerca de 20 anos, a Petrobrás não realizava investimentos na área de gás. “O futuro de Mato Grosso do Sul é agora, com o início da implantação do pólo, que vai mudar definitivamente o perfil econômico do Estado”, concluiu.
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

A QUE PONTO CHEGAMOS
Mãe mata o próprio filho após ser flagrada com amante pelo menino
MINÍSTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Tereza Cristina anuncia seis secretários para Ministério
FAMOSIDADES
Silvio Santos se pronuncia sobre polêmica com Claudia Leitte e reage a campanha feminista
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'