Menu
LIMIT ACADEMIA
sexta, 19 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Interior do MS sofre com falta de médicos especialistas

14 Ago 2004 - 09h53
A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um médico para cada grupo de mil habitantes. No Brasil, segundo pesquisa realizada no final do ano passado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) há um médico para cada 594 brasileiros. Já em Mato Grosso do Sul, o levantamento do Conselho Federal aponta que há um médico para cada grupo de 775 habitantes. Mas não é uma realidade em todas as cidades do Estado. Em Mato Grosso do Sul atuam 2757 médicos, 1616 estão na Capital.

Na segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul trabalham 269 médicos devidamente credenciados pelo CRM, o Conselho Regional de Medicina.

Se for observado o que preconiza a OMS (um médico/mil habitantes) o município tem um profissional para cada grupo de 670 habitantes.

Acontece que o município é referência em Saúde para o atendimento de uma população superior a 800 mil habitantes, moradores em 34 cidades da região sul do Estado.

Neste caso cada um dos 269 médicos fica responsável por um grupo de até 2970 habitantes.
O problema no município de Dourados é a pequena quantidade e até a falta de especialistas. Não há, por exemplo na cidade, médico neonatologista, profissional responsável pelos cuidados de crianças recém-nascidas nas UTIs de hospitais.

Especialidades

Dados do Conselho Regional de Medicina apontam que são 109 especialistas trabalhando em Dourados. As especialidades estão divididas assim: Cardiologia (12), Pediatria (26),
Clínica Médica (2),
Ortopedista (10),
Pneumologista (2),
Ginecologista (23)
Cardiologia (12),
Neurologista (1),
Dermatologista (4)
Oftalmologista (9)
Otorrino (4)
Gastroenterologista (4).

Em Juti, a 70 quilômetros de Dourados a realidade é ainda mais preocupante. O município tem aproximadamente oito mil habitantes, segundo dados do IBGE. No município de Juti há apenas um médico para cuidar de toda a população.

O médico ginecologista e obstetra, Silvio dos Santos Laranjeira formado há quatro anos e meio aceitou o desafio de colocar em prática tudo que aprendeu na faculdade numa cidade do interior.

O médico está tralhando no hospital e posto de saúde de Juti há cinco meses. O outro colega médico que trabalha na cidade está afastado das funções porque disputa o cargo de vice-prefeito.

O ginecologista Silvio Laranjeira conta que precisa se desdobrar durante as 24 horas do dia para dar conta de todos os atendimentos. "A gente acaba virando especialista de todas as áreas, uma situação que desgasta o profissional. Só não é pior porque o plantão noturno é bem mais calmo que em cidades grandes", disse o médico.

O ginecologista acredita que para auxiliar no atendimento à população de Juti seriam necessários pelo menos mais três profissionais.

 

Dourados Agora

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião
DEU RUIM
Vítima reage e mata assaltante que tentava roubar camioneta em Toledo – ASSISTA VÍDEO
PAI MONSTRO
Pai é preso suspeito de estuprar e engravidar a filha de 11 anos
15 METROS DE ALTURA
MILAGRE – Menina de um ano que caiu do 4º andar de prédio não sofreu nenhuma fratura
ACIDENTE NA ESCOLA
Criança de 7 anos tem ferimentos graves após trave de futebol cair em sua cabeça em escola
ESTUPRO
Grávida de 20 anos foi estuprada ao pegar carona. Tarado filmou a ação
ACERTO DE CONTAS
Homem é morto a facadas e tem cadeado colocado na boca
POLEMICA
Funcionária de creche chamada de 'vadia' em faixa exposta em praça de MG recebe apoio