Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 19 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Insulina aspirável pode recuperar memória de pacientes com Alzheimer

15 Jul 2010 - 12h01Por Folha Online
Inalar insulina pode melhorar a memória de pacientes com sintomas iniciais da doença de Alzheimer, segundo um estudo de pesquisadores norte-americanos, apresentado na quarta-feira (14) numa reunião da Associação de Alzheimer, em Honolulu.

Os pacientes que receberam o tratamento por quatro meses mostraram melhora nos exames de recuperação da memória, que duraram dois meses.

"Nós acreditamos que os resultados são muito promissores e podem ajudar estudos futuros", disse Suzanne Craft, do VA Puget Sound Health Care System e da Universidade de Washington, em Seattle, que apresentou suas descobertas em Honolulu.

O mal de Alzheimer é uma deterioração fatal e incurável do cérebro que afeta 26 milhões de pessoas no mundo todo. É a forma mais comum de demência.

Vários estudos sugerem que pessoas com Alzheimer têm níveis reduzidos de insulina no cérebro, mesmo em estágios mais adiantados. A insulina é importante para a comunicação entre as células cerebrais e é necessária para o funcionamento do cérebro.

A equipe de Craft queria ver o que aconteceria se eles levassem insulina diretamente ao cérebro.

Eles estudaram 109 pacientes, não diabéticos, com doença de Alzheimer ou uma pré-condição chamada comprometimento cognitivo leve.

Um terço dos pacientes recebeu um placebo e os outros dois terços, diferentes doses de insulina, carregadas em um nebulizador e esguichadas no nariz, duas vezes por dia, durante quatro meses.

Os pacientes que receberam a menor dose de insulina mostraram melhorias significativas em alguns testes de memória, mas não mostraram nenhuma mudança em um teste de memória e aprendizagem ou em um teste de habilidade para realizar atividades diárias.

Em 15 doentes tratados com insulina, a equipe encontrou uma ligação entre a melhoria da memória e das medidas de proteínas-chave relacionadas com a doença de Alzheimer.

A pesquisadora disse que o tratamento está longe de ser útil aos pacientes, mas os resultados são fortes o suficiente para serem estudados em larga escala clínica.

As drogas atuais para o mal de Alzheimer apenas tratam os sintomas, mas nenhuma melhora a memória dos pacientes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

A QUE PONTO CHEGAMOS
Mãe mata o próprio filho após ser flagrada com amante pelo menino
MINÍSTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Tereza Cristina anuncia seis secretários para Ministério
FAMOSIDADES
Silvio Santos se pronuncia sobre polêmica com Claudia Leitte e reage a campanha feminista
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'