Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

Índios que trabalhavam irregularmente recebem indenização

2 Abr 2007 - 15h53
Índios de várias etnias receberam indenizações pagas por uma usina de cana em Mato Grosso do Sul. Eles tiveram os contratos de trabalho suspensos depois que o Ministério Público encontrou irregularidades nas lavouras.

 Foi em um local improvisado dentro da aldeia que os representantes de uma destilaria cancelaram os contratos. Setenta e cinco índios da Reserva de Dourados receberam no último sábado (31) as indenizações pela quebra do contrato. A determinação foi do Ministério Público do Trabalho, que recebeu denúncias de irregularidades na segurança e nos alojamentos dos trabalhadores.


Há seis meses, a empresa estava sendo chamada pelos procuradores para solucionar os problemas. Como os pedidos não foram atendidos, a destilaria foi interditada. Os 197 trabalhadores indígenas das aldeias de Dourados, Amambá e Coronel Sapucaia eram os mais prejudicados porque tinham de ficar alojados no local.

O índio caiuá Valdir Gervaso ficou oito dias na colheita da cana. Recebeu R$ 500,00 e agora vai ter direito também a três meses de seguro desemprego. “Na primeira vez que cheguei ao local, tive que dormir no chão”, conta.

Para o índio guarani Remício Martins, assinar os documentos foi um alívio. Ele mora na aldeia Bororó, em Dourados, e tem quatro filhos para sustentar. Há 20 dias cortava cana sem nenhuma segurança.

Além de conferir os pagamentos das rescisões, os procuradores do Ministério do Trabalho, acompanhados por policiais federais, evitaram que os índios fossem coagidos por alguns comerciantes. Três deles tentavam cobrar dívidas dos trabalhadores no momento em que as indenizações eram pagas. Eles foram expulsos do local.

“Se ele tiver uma conta a acertar no mercadinho ou na venda, ele vai receber o dinheiro dele e pagar. Não é justo nem correto esse representante da vendinha estar lado a lado com o tesoureiro da empresa e reter o dinheiro desse trabalhador. Isso não pode ser tolerado”, afirma o procurador Luciano Michelão.

Todos os 197 índios que trabalhavam na usina já receberam as indenizações. Em nota, a usina informou que vai comprar equipamentos de segurança e reformar os alojamentos.

 

 

Globo Rural

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'