Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 19 de julho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Índios prometem manter bloqueio até as 22 horas

14 Jun 2007 - 16h45

Os indígenas que protestam desde as 8 horas desta quinta-feira em Dourados contra o atraso na liberação do Bolsa Universitária por parte do governo do Estado informaram há pouco ao Midiamax que pretendem permanecer até as 22 horas de hoje com o bloqueio da rotatória que dá acesso aos campi da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul).

No fim da manhã de hoje eles liberaram o trecho da Avenida Guaicurus que dá acesso aos distritos douradenses de Itahum e Picadinha, mas fecharam a rotatória que dá acesso aos campi das duas universidades, onde a maioria dos manifestantes faz estuda. De acordo com o acadêmico de Direito Genivaldo da Silva Vieira, da Aldeia Bananal, localizada de Aquidauana, um representante da Setass (Secretaria Estadual de Assistência Social) confirmou o pagamento do benefício para esta sexta-feira, mas, caso isso não ocorra, os bloqueios serão retomados.

“Nós resolvemos manter o bloqueio até as 22 horas de hoje com a possibilidade de retomarmos amanhã pela manhã caso o dinheiro não esteja depositado”, explicou Genivaldo Vieira, referindo-se à Bolsa Universitária Indígena no valor de R$ 300,00 por mês. Ele destacou que os studantes estão cansados de promessas, pois desde março os universitários indígenas estão tentando um acordo, mas sem sucesso.

"O governo marca uma data de pagamento e não paga. É sempre assim. Por essa razão não vamos encerrar os trabalhos, enquanto não tivermos certeza de que realmente algo vai ser feito", disse o indígena, revelando que ao todo são 188 bolsistas indígenas nesta situação, dos quais 91 estão estão matriculados em diversos cursos em Dourados, mas sem o dinheiro da bolsa não conseguem quitar contas.

"Muitos vêm de fora para estudar. Sem o pagamento estamos com aluguel atrasado, sem luz, água, gás e meio de transporte. A situação é dramática pois até a alimentação já está comprometida. O governo precisa se sensibilizar a nossa causa. Estamos apenas reivindicando o direito de estudar", ressalta Genivaldo Vieira.

Cido Costa/Dourados Agora

De acordo com o estudante Alceu júnior Silva Bittencourt, do DCE (Diretório Central de Estudantes), o grupo está decepcionado com a falta de empenho da reitoria da UEMS. "O governo corta os benefícios e a reitoria nada faz para impedir. Não há enfrentamento, apoio aos estudantes, não há respaldo. O nosso protesto também é contra esta atitude que não privilegia o aluno, que é a parte que interessa numa universidade", acrescentou.

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA SENDO REPRESENTADA NO RJ
Vicentina será representada no Internacional de Masters South América de Jiu-jitsu no Rio de Janeiro
POLITICA
'Falar que passa-se fome no Brasil é uma grande mentira', afirma Bolsonaro
NOVELA GLOBAL
Maria da Paz se recusa a enxergar caráter de Josiane em 'A dona do pedaço'
REGIME SEMIABERTO
Goleiro Bruno deve sair da cadeia no fim da tarde desta sexta-feira
CASO RARO
Bezerro de seis patas chama atenção moradores de Santa Helena – Veja Vídeo
MONSTRUOSIDADE
Vizinho é preso suspeito de estuprar e estrangular menina de 8 anos
CASA PRÓPRIA
Recurso de R$ 1 bilhão é destinado ao Minha Casa, Minha Vida
VIDA SAUDÁVEL
Homem mais velho do Brasil falece no Rio de Janeiro
BASTA DE IMPRUDÊNCIA
Enlutada pelas mortes, população deixa faixa contra imprudência na PR-082
VIOLENCIA
Motorista atropela manifestantes do MST e mata um idoso