Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 12 de novembro de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Índios fazem funcionário da Funai refém em MG

16 Mar 2007 - 10h34
Um funcionário da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) é mantido refém desde a noite desta quinta-feira por índios da aldeia Pataxós, em Carmésia, a 210 km de Belo Horizonte, no leste de Minas Gerais.
O sociólogo Altino Barbosa Neto, da Funasa de Governador Valadares (MG), foi rendido quando participava de uma reunião na tribo. O cacique Maiara reclama que os índios da região não estão recebendo assistência médica adequada, principalmente, devido ao fato de muitos medicamentos não estarem sendo entregues na aldeia.
O cacique informou que o sociólogo só será liberado depois que a Funasa atender às reivindicações da tribo.
Segundo a prefeitura de Carmésia, os índios não estão utilizando armas ou ferramentas para impedir a saída do sociólogo. Por enquanto, o clima é tranqüilo.
Ainda na manhã desta sexta-feira, uma equipe da Funasa deve chegar à cidade para negociar a liberação do funcionário. Na aldeia Pataxós vivem cerca de 200 índios.
 
 
Terra

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXPLORAÇÃO SEXUAL
Brasileiros são condenados por explorar prostitutas e vender drogas em Londres
NOVA LEGENDA
Presidente do PSL-RJ, Flávio Bolsonaro se desfilia do partido e apoiará criação de nova legenda
AMIZADE
Rômulo Estrela dá cadeira de rodas a colega baleado em assalto
SOLIDARIEDADE
Gusttavo Lima para carro e ajuda catador com cão no ombro. Vídeo
NOVELA GLOBAL
Em 'A dona do pedaço', Abel passa no 'teste' e pede Britney em casamento: 'Te amo'
ESPORTE
Flamengo oferece contrato de mais duas temporadas para Jorge Jesus, diz jornal
PRESIDENTE
MP altera jornada de trabalho de bancários e permite abertura de agências aos sábados
ESTELIONATARIA
Advogada de 82 anos é vítima de golpe via WhatsApp com boleto bancário
FAMOSIDADES
Camila Pitanga não demorou a contar à família sobre namoro com a artesã Beatriz Coelho
DESABAFO
Diego Hypólito faz desabafo sobre bullying na ginástica: 'Me espancavam e me humilhavam'