Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 23 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CONTAINER
Brasil

Indígena é preso após incendiar casa com quatro crianças

24 Ago 2010 - 11h58Por Campo Grande News

Jurandir Duarte, de 22 anos, foi preso às 20h de domingo (22) por incendiar a residência do irmão na aldeia indígena Pirajuí, em Paranhos, município que fica a 469 quilômetros de Campo Grande.

Foi o capitão da aldeia quem acionou a Polícia. De acordo com o boletim de ocorrência registrado sobre o caso, dois indígenas chegaram à residência do capitão informando que Duarte havia incendiado uma das casas.

O capitão e alguns indígenas foram ao local e encontraram a residência completamente tomada pelas chamas. No momento em que o jovem ateou fogo na casa toda a família do irmão dele, Reginaldo Duarte, estava no local, incluindo quatro crianças.

De acordo com a Polícia Civil da cidade, não houve feridos, pois todos os que estavam na casa conseguiram sair.

O jovem confessou ter sido ele quem causou o incêndio e foi detido pelos próprios índios, que acionaram a Polícia. Duarte foi encaminhado para a delegacia e deverá responder pelo crime.

A Polícia informou que quando incendiou a casa, o jovem estava sob efeito de álcool e de drogas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico