Menu
SADER_FULL
segunda, 10 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
LEITURA

Índice de leitura no Brasil cresce mais de 150% em dez anos

11 Ago 2010 - 06h34Por Agência Brasil

O índice de leitura no Brasil aumentou 150% nos últimos dez anos. Passou de 1,8 livro por ano em média, para 4,7. Apesar do aumento, a presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Sônia Machado Jardim, disse que o índice de leitura anual no Brasil ainda é pequeno comparado ao de países mais desenvolvidos.

“É baixo não só por estar muito aquém dos de países desenvolvidos ou até mesmo de alguns países em desenvolvimento, mas também porque inclui os livros didáticos, de leitura obrigatória.

A presidente fez a declaração durante a divulgação da Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da Universidade de São Paulo (USP), a pedido da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Snel, que constatou aumento de 13,5% de obras publicadas no ano passado em relação a 2008.   

"Nosso grande desafio é a formação de leitores, mas o que a pesquisa demonstra é que podemos ter uma esperança já que 15% do mercado corresponde aos livros infantojuvenis", declarou Sônia, que disse estar preocupada pelo fato de as compras governamentais de livros técnico-científicos – mais voltadas à formação profissional e ao público universitário – não acompanharem o aumento do interesse pelo setor.

Dos 28,7 milhões de exemplares de livros técnico-científicos vendidos em 2009 (18,3% a mais que em 2008), os governos adquiriram apenas 182,8 mil. O que, apesar de pouco, significou um aumento de 142% em relação às compras de 2008, quando foram adquiridos apenas 75,4 mil exemplares.
 
"A compra governamental nesta área é baixíssima e se dá, principalmente, por meio do próprio aluno universitário e das universidades, o que demonstra a necessidade do brasileiro se qualificar e que, hoje, somente o ensino médio não basta para garantir o ingresso no mercado de trabalho", concluiu Sônia.
 
Perguntada sobre o fato de o livro ainda ser um artigo pouco acessível para grande parte da população, Sônia defendeu que, com a produção em maior escala e as várias alternativas adotadas pelas editoras vem ajudando a popularizar o produto. "Até 2004 não havia os livros de bolso, por exemplo. Há as edições especiais, mais baratas, as vendas porta a porta. Há um novo mercado já que a classe C está ingressando no mercado e há preços para todo tamanho de bolso".

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENTRO ESPÍRITA
Médium é acusado de Abusos Sexuais em crianças
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau leva surra de chicote no bordel
COVARDIA
Mulher agride menino autista em playground e vídeo viraliza
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau descobre que Diana luta karatê e fica em choque
ACUMULOU
Ninguém acerta a mega-sena e prêmio acumula em R$ 30 milhões
VIOLENCIA
'Tiro, porrada e bomba': festa em universidade acaba em pancadaria e PM responde com violência
NOVELA GLOBAL
Gabriel confronta Valentina em “O Sétimo Guardião”
ARROCHO
Regra defendida por Bolsonaro tira R$ 1,1 mil por mês das novas aposentadorias
BARBÁRIE
Mulher é presa após atear fogo em cachorro
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Feliciano foi muito rico e ajudou Valentina no passado