Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 24 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Impasse continua e greve dos bancários chega ao 10º dia

24 Set 2004 - 07h13

A greve dos bancários continua nesta sexta-feira, chegando ao décimo dia de paralisação. O movimento atinge 24 capitais e 105 sindicatos do interior. Representantes da categoria têm reunião marcada com o Ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, às 15h, em Brasília, para denunciar o desrespeito dos banqueiros ao direito de greve dos trabalhadores. Segundo a Confederação Nacional dos Bancários (CNB), cerca de 200 mil bancários aderiram ao movimento.

A audiência com o ministro do Trabalho foi solicitada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo e terá a participação do presidente da CNB/CUT, Vagner Freitas, além dos presidentes dos sindicatos de São Paulo, Luiz Cláudio Marcolino, e de Brasília, Jacy Afonso de Mello.

Ontem, o presidente da CNB reuniu-se com o ministro do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, também para denunciar a postura dos bancos.

O ministro destacou que o STF é a última instância recursal e, por isto, nunca julgou o mérito de um interdito proibitório - instrumento jurídico por meio do qual as instituições financeiras vêm reclamando o direito de propriedade, obrigando os bancários a retornar ao trabalho e os grevistas a permanecer longe das agências.

Segundo Jobim, está em estudo uma medida que permitiria ao Supremo julgar matérias constitucionais sem que tenham de passar antes por outras instâncias.

De acordo com o sindicato, em diversas cidades os bancos vêm se utilizando medidas judiciais e utilizando força policial contra os trabalhadores. " O Sindicato vai enviar carta à Secretaria de Segurança Pública. Não concordamos com esse tipo de ação policial que usa de violência contra os trabalhadores", diz o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino. "A greve dos bancários é pacífica e queremos que permaneça assim. Os trabalhadores querem conquistar melhores salários e estão se manifestando por meio do seu livre direito de greve", completou.

Ontem, 329 agências da capital paulista, Osasco e região não funcionaram. A paralisação de grandes concentrações, como o Centro Técnico Operacional (CTO) do Itaú, elevou o número de bancários em greve, que já chega à casa dos 30 mil.

Hoje, os bancários fazem nova passeata na capital paulista, desta vez pelas ruas do Centro. A concentração será na Praça Ramos em frente ao Teatro Municipal. Os trabalhadores percorrerão as principais ruas da região, farão manifestação em frente à Federação Nacional dos Bancos e encerram a passeata na Praça do Patriarca, onde acontece a assembléia da categoria para deliberar a continuidade da greve.

A Fenaban mantém a proposta, já rejeitada pelos bancários, de reajuste salarial de 8,5%, com participação nos lucros de até 80% do salário. Os grevistas querem 25%, incluindo aumento real de 17,68% nos salários, além de participação nos lucros de até um salário, mais R$ 1.200.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção