Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Grupo identificará terras do tráfico que podem resolver conflitos indígenas

11 Set 2013 - 09h07Por Campo Grande News

O Ministério da Justiça criou um grupo de trabalho e deu prazo de 15 dias para levantamento das áreas confiscadas pelo tráfico em Mato Grosso do Sul. O estudo faz parte das negociações para mediar o conflito entre fazendeiros e índios no Estado.

O governo federal lidera as tentativas de acordo desde julho deste ano, logo após a morte de um indígena em ação de reintegração de posse da fazenda Buriti, em Sidrolândia.

Entre idas e vindas, com reuniões em Brasília e Campo Grande, ganhou força a proposta de indenizar os fazendeiros com TDA (Título da Dívida Agrária). Na transação, a União compraria terras para a reforma agrária e o Estado repassaria o valor para os produtores rurais.

No entanto, o governador André Puccinelli (PMDB) afirma que o Estado não tem estoque de terras suficientes para trocar por TDA.

Assinada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a portaria 2.988 estabelece que o grupo identifique terras em Mato Grosso do Sul que tenham sido objeto de perdimento em favor da União, em razão de condenação judicial por tráfico de drogas.

O grupo é formado por Edmilson Dias Pereira, do Gabinete do Ministro da Justiça, que será coordenador; Mauro Roni Lopes da Costa, da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça; e Priscila Cunha do Nascimento, da consultoria jurídica do Ministério da Justiça.

Em entrevista recente ao Campo Grande News, o juiz federal Odilon Oliveira alertou que a permuta ou venda de terras confiscadas do tráfico dependem de mudanças nas legislações.

“Primeiro, vai ter que mudar a destinação dos bens. Os bens provenientes do tráfico têm destinação estabelecida. Até 40% dos bens são destinados à Policia Federal e à Polícia do Distrito Federal. O restante, os 60% vão para prevenção, que não se vê, recuperação, despesas do Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras] e da Senad [Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas]”, explica o magistrado.

De acordo com ele, a legislação pode ser mudada por meio de uma MP (Medida Provisória) caso seja caracterizada como doação de urgência. Outra ação, será liberar a venda antecipada das fazendas, assim que a denúncia chegar à Justiça.

Hoje, não é liberada comercialização de imóvel antes de se esgotar todos os recursos processuais.
Na Vara Especializada em Lavagem de Dinheiro, há 150 propriedades rurais sequestradas por integrar patrimônio de traficantes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUPERAÇÃO
Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito
FENÔMENO
Maior superlua de 2019 iluminará o céu nesta terça, 19
FAMOSIDADES
Padre sertanejo acusado de ostentação cobra entrada de idosos para assistir programa
ACIDENTE FATAL
Adolescente é atropelada quando levava pai em cadeira de rodas, veja o vídeo
VIOLENCIA DOMESTICA
'Não consigo reconhecê-la', diz irmão de mulher espancada no 1° encontro
O REI ROBERTO CARLOS
Roberto Carlos vestiu rosa e se mostrou contrário a projeto de Jair Bolsonaro
BRIGA NO PLANALTO
Magoado e traído, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro
TRÁGICO
Mãe do piloto de Ricardo Boechat morre três dias após o filho
OUTROS 10 ESTADOS
Horário de verão termina à meia-noite; relógios devem ser atrasados em 1h
BARBÁRIE
Rosane Santiago Silveira, torturada e morta em sua própria casa