Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 21 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Greve faz pacientes serem atendidos no chão em Alagoas

9 Ago 2007 - 13h24
A greve dos médicos de Alagoas, que se estende há 75 dias, tem feito com que pacientes sejam atendidos no chão no maior hospital público do Estado, a Unidade de Emergência de Maceió. Familiares de pacientes reclamam que a espera pelo atendimento demora até três dias e falam em superlotação das alas hospitalares. A direção do hospital não se pronunciou sobre o assunto.
Mais de 160 médicos assinaram pedidos de demissão coletiva. Os ambulatórios 24 horas da capital abrem, mas não têm médicos. Eles pedem 50% de reajuste salarial, mas o governo do Estado ofereceu 5%.
 
"Só funcionam urgência e emergência porque não queremos que a situação fique como está em Recife. Os médicos estão sob aviso prévio. A partir do dia 20, vão faltar médicos em Alagoas porque o aviso prévio vai acabar", disse o presidente do Sindicato dos Médicos, Welington Galvão. Em Recife, os médicos pediram demissão, mas sem aviso prévio. Na capital pernambucana, a saúde entrou em colapso.
 
A proposta do sindicato é que 25% dos médicos de Alagoas (500) peçam demissão até o final de agosto. O Estado possui 2 mil médicos. No maior hospital, a Unidade de Emergência em Maceió, 98% dos médicos assinaram pedido de demissão e estão sob aviso prévio. Na lista dos demissionários há anestesistas, neurocirurgiões, pediatras e outros profissionais.
 
Nem os poderes conseguiram encontrar uma solução para a greve. O Tribunal de Justiça decretou a ilegalidade da greve dos médicos em junho; o Ministério Público Estadual tentou terminar com a paralisação, mas em vão. "Faço um apelo aos médicos: voltem ao trabalho", disse o governador Teotonio Vilela Filho (PSDB).
 
Para o vice-governador e médico cardiologista, José Wanderley Neto (PMDB), a crise na saúde não está em Alagoas, mas no modelo do Sistema Único de Saúde (SUS). Há duas semanas, o deputado federal Augusto Farias (PTB) pediu ao ministro da Saúde, José Gomes Temporão, intervenção federal na área.
 
"Se a intervenção fosse boa, teríamos pensado nisso. Um modelo que funciona em São Paulo com sucesso não pode ser aplicado nos outros estados porque cada região do Brasil possui a sua particularidade", justificou.
 
Greve da Polícia Civil
Os policiais civis suspenderam as atividades na semana passada e, na quarta-feira, as viaturas deixaram de circular pelo Estado. No caso da Polícia Civil, nem o arrombamento da Secretaria Municipal de Fianças de Maceió, ocorrido no último final de semana, pôde ser registrado na delegacia.
 
"Os policiais não estão fazendo Boletim de Ocorrência", disse a secretária de Finanças, Marcilene de Oliveira. Os policiais alagoanos querem aumento de 104%. O Governo ainda não apresentou uma contra-proposta.

 

 

Terra Redação


Deixe seu Comentário

Leia Também

DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle, do ‘Programa Raul Gil’, se suicida após depressão
FATALIDADE
Bebê morre após ser esquecida pelo pai por três horas dentro do carro
IRRESPONSABILIDADE
Bebê de 1 aninho entra em coma alcoólico após pai dar cachaça com refrigerante
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião