Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 24 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Greve dos professores completa 50 dias em Alagoas

10 Mar 2007 - 10h40

 

A greve dos professores públicos de Alagoas completou 50 dias na sexta-feira sem solução para o impasse entre o governo e o Sindicato dos Trabalhadores de Educação (Sinteal), que reúne 10 mil professores. Apesar da greve, 25,4 mil alunos foram matriculados para o ano letivo de 2007, garantindo recursos de R$ 30 milhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Enquanto as negociações não avançam, o governador Teotonio Vilela Filho (PSDB), que se encontrou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva essa semana, ouviu da boca dele a seguinte pergunta: "Téo, se havia tantos problemas no Estado, como é que você aceitou ser candidato ao governo?"

O reajuste do funcionalismo foi concedido pelo governo anterior, que deu aumento de 100% aos professores. Em entrevista ao Terra, o vice-governador, José Wanderley Neto (PMDB), afirmou que, caso fosse paga a totalidade dos reajustes salariais, não haveria mais dinheiro para o funcionamento das escolas públicas. "Elas teriam que fecham as portas", afirmou. Confira a entrevista:

Os professores pedem aumentos salariais concedidos por lei no ano passado e reclamam que o corte do ponto, decidido pela Justiça, vem atrapalhando as negociações para o fim da greve com os professores. O governo não dialoga com os professores?
O Governo fez uma proposta e aguarda uma contraproposta. Nossa proposta é dar 60% de aumento e, em setembro, veremos as possibilidades de o governo arrecadar. Então, saberemos quando completar o restante, os 40%.

Uma greve da educação no Estado com maior número de analfabetos e distorção idade/série não revela falha do governo em resolver rapidamente este problema?
O governo não se sente responsável. Seria responsável se tivesse os recursos e não pagasse por uma vontade própria ou por não querer. O governo tem feito um esforço enorme para concretizar uma proposta. Para dar estes 60%, reduziríamos a verba destinada ao custeio da educação e faríamos um esforço enorme para repor o orçamento de manutenção das escolas, senão elas não vão funcionar.

O governo resiste nas negociações?
Não. Temos jogado claro, só temos isso para dar. Não tem outra solução, se não houver acordo, a tendência do governo é retirar a proposta e cumprir a decisão da Justiça, que tornou a greve ilegal e determinou o corte do ponto.

Se existe um rombo de R$ 408 milhões nos cofres públicos, quem fez isso?
São despesas que foram feitas e que não se conseguiu pagar. O governador Teotonio Vilela Filho não é o pai disso. Não queremos procurar culpados, isso não resolve o problema. Temos mais de R$ 300 milhões a pagar que o governador declarou moratória. Ainda não temos uma solução para isso. Foram dívidas contraídas, supõe-se que sejam legítimas e estão sendo auditadas: comida para presídio, remédios para os hospitais. Isso terá de ser pago. O raciocínio do governador é que temos problemas graves e que vamos resolver. Arranjar culpados não resolve o problema.

 

 

Terra

Deixe seu Comentário

Leia Também

BBB 19
Vanderson é eliminado e vai prestar depoimentos sobre casos de agressão
INVESTIGAÇÃO
Mourão volta a dizer que é preciso investigar Flávio Bolsonaro e punir se for o caso
HEROI
Porteiro ganha homenagem: salvou criança de 3 anos que caiu na piscina (VIDEO)
FAMOSIDADES
Aos 67 anos, Amado Batista assume namoro com jovem de 19 anos de idade
LUTO - TV
Ator Caio Junqueira morre no Rio uma semana após acidente
ANJO DA GUARDA
Amigo dá lar a mulher que viveu 40 anos internada no HC
MAMATA
General corta contratinho de R$ 30 milhões para manter jornalistas no exterior
PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes