Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 24 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Greve dos bancários continua na próxima semana

9 Out 2004 - 07h00

Os bancários encerraram nesta sexta-feira o 24º dia de paralisação da categoria decidindo - em assembléias realizadas nas principais capitais do país - continuar o movimento na próxima semana.

Em assembléia, com cerca de 1.200 bancários, os bancários de São Paulo, Osasco e região rejeitaram também a proposta, apresentada por alguns trabalhadores, de encaminhamento da greve para dissídio no Tribunal Superior do Trabalho (TST): 604 disseram não ao dissídio; 560, sim. Foram 16 votos nulos e 6 em branco.

Os bancários de Porto Alegre e Região também renovaram, durante assembléia no Clube do Comércio, a posição de manter a greve. A categoria só admite retornar ao trabalho se ocorrerem avanços na proposta do governo federal e da Fenaban.

Os bancários entendem que o movimento deve ser intensificado nos bancos públicos e retomado nos bancos privados. Os dirigentes reforçaram que a campanha é unificada e que a pressão para a reabertura de negociação com os banqueiros será intensificada na próxima semana.

"Os bancários, na quadra, tomaram a decisão mais acertada. Campanha salarial se resolve negociando e, como agora, na luta, para quebrar a intransigência dos banqueiros que se recusam a negociar", afirma o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino.

"Além disso, tradicionalmente, a postura do TST é muito mais contrária ao trabalhador. Os bancários mesmo já perderam muito em dissídios passados. Não podemos correr esse risco", ressalta o dirigente, relembrando que o próprio presidente do Tribunal, ministro Vantuil Abdala, concorda que a solução para essa greve deve ser negociada.

Proposta - Os bancários reivindicam 19% de reajuste, abono de R$ 1.500, PLR de um salário mais R$ 1.200 e o não desconto dos dias parados. A proposta rejeitada no dia 14 de setembro previa reajuste salarial de 8,5% mais R$ 30 para quem ganha salários até R$ 1.500 - o que implicaria em reajustes de até 12,77% e aumento real de 5,75%.

Para os que ganham acima de R$ 1.500, o reajuste sugerido era de 8,5%, assim como para as demais verbas de natureza salarial como vales alimentação, refeição e auxílio-creche. O INPC do período foi de 6,64%.

A proposta previa Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de 80% do salário mais R$ 705 e pagamento de vale-alimentação extra de R$ 217. Também foram rejeitados avanços em questões específicas do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção