Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 17 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Greve dos bancários chega ao 13º dia, sem previsão de acordo

27 Set 2004 - 08h08

A greve nacional dos bancários entra nesta segunda-feira no seu 13º dia de paralisação. O movimento começou no último dia 15. Uma nova reunião com representantes dos bancos e bancários será realizada hoje, em Brasília, mas não há perspectiva de que as negociações avancem.

Em São Paulo, a Executiva Nacional dos Bancários também se reúne, a partir das 15h.

A categoria pede um reajuste de 25% (reposição da inflação mais 17,68% de aumento real). Os bancos oferecerem um reajuste de 8,5% e mais um adicional de R$ 30 para quem ganha até R$ 1.500.

Na sexta-feira, o ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, deixou claro que o governo não vai intervir na greve. Ele recebeu uma comissão de representantes sindicais que foram cobrar do ex-sindicalista uma posição em direito da greve.

"O ministro não se recusou a fazer nenhuma intermediação. O Estado pode acompanhar, mas não vai estatizar a negociação", disse o presidente da Confederação Nacional dos Bancários (CNB), Vagner Freitas, após o encontro.

Em algumas localidades, a Justiça do Trabalho já concedeu liminares determinando o retorno de parte dos grevistas ao trabalho. Esse é o caso do Ceará, onde a Justiça quer o retorno de 40% dos bancários.

O comando de greve saiu da reunião com Berzoini convencido de que a greve continua com maior intensidade se não houver um recuo dos bancos. "A greve é tão forte no setor privado quanto no público. A nossa proposta para terminar essa greve é que se alcance uma solução única para os dois setores. Estamos em uma campanha unificada em todo o País", salientou Freitas.

Segundo os grevistas, 230 mil bancários de um total de 400 mil trabalhadores em todo o País estão parados em 130 cidades do interior e 24 capitais. Na última rodada de negociação, realizada no dia 8 de outubro, o impasse entre servidores e banqueiros foi criado em virtude do índice de reajuste salarial de 8,5% até 12,77% oferecido pelos bancos.

Os servidores reivindicam um reajuste de 25% mais participação nos lucros. De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, Luiz Cláudio Marcolino, os bancos não querem negociar com os grevistas.

"Os bancos estão radicalizando no processo da greve, não querendo negociar com o movimento sindical. O processo de greve da categoria, por isso, vem se intesificando a cada dia", analisou Marcolino.

Os grevistas entregaram uma carta ao ministro Ricardo Berzoini, na qual denunciam que os bancos não estão respeitando o direito de greve. Na carta os bancários relatam o uso da força policial nas manifestações que estão sendo realizadas em frente às agência bancárias.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'
ALERTA
Smartphone afeta a saúde mental, e o dano pode começar em crianças de 2 anos!
TRAGÉDIA
“Tentei socorrer ele, mas não deu certo”: conta filho de motociclista levado por enxurrada
FURIA DA NATUREZA
Enxurrada derruba casa e provoca pânico e destruição
NOVELA GLOBAL
Gabriel e Valentina viram inimigos mortais em 'O sétimo guardião'
REALITY SHOW
BBB 19 começa hoje. Na Rocinha Casa de Darnrley vira "QG" de Torcida
POSSE DE ARMAS
Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto que facilita posse de armas
HEROINA
Professora Helley, que salvou crianças de incêndio em Janaúba, é homenageada e dá nome a rodovia
FAMOSIDADES
Doente, José Mayer foi esquecido pela Globo e abandonado por ‘Amigos’