Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Greve chega ao 22º dia e bancários tentam audiência com Lula

6 Out 2004 - 08h59

A greve dos bancários continua e chega ao 22º dia. Para buscar um acordo, representantes da categorias estão em Brasília e devem tentar audiência para conseguir o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em São Paulo, uma nova assembléia será realizada às 16h.

O objetivo da Confederação Nacional dos Bancários (CNB) é que presidente Lula seja o interlocutor entre grevistas e bancos para que as negociações avancem.

O presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP), também deve entrar em ação nesta quarta-feira para intermediar as negociações. Ele se reuniu ontem com representantes da Executiva Nacional dos Bancários para discutir o assunto.

"Nós não queremos que ele (Lula) resolva a greve, nossa greve é resolvida por meio de negociação entre patrão e empregado. Queremos que o presidente Lula faça aquilo que o deputado João Paulo está fazendo: uma intermediação para a abertura das negociações, solicitando que patrões e empregados se sentem à mesa de negociação", diz Vagner Freitas, presidente da Confederação Nacional dos Bancários.

O presidente do Sindicato dos Bancários do DF, Jacy Afonso de Mello, reafirmou a importância do apoio do parlamentar. "A audiência com o presidente da Câmara mostrou a possibilidade de um novo caminho", disse.

João Paulo se comprometeu a procurar os presidentes da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal para reabrir as negociações. "A partir disso esperamos encontrar alguma solução para a greve", disse Jacy Afonso.

Nesta terça-feira, os bancários de 24 Estados decidiram permanecer em greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembléias locais.

A greve, que no seu início teve a participação de 30 mil trabalhadores em São Paulo - principal pólo do movimento -, contabilizou ontem cerca de 8 mil funcionários parados, de acordo com o comando de greve.

Agora, o movimento tem mais força na capital paulista. No interior, o movimento perdeu corpo e praticamente deixou de existir.

Ainda assim, a greve prejudica aposentados e pessoas que dependem dos serviços bancários para fazer pagamentos e receber benefícios.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos