Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 21 de abril de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Governos de Brasil e Bolívia voltam a discutir preços do gás

25 Mai 2007 - 05h30
Os governos de Brasil e Bolívia voltaram a discutir nesta quinta-feira (24) o novo contrato sobre o reajuste do gás natural exportado para o Estado do Mato Grosso, que deveria ter entrado em vigor no dia 15 de maio.

No entanto, como condição para começar a pagar a mais pelo gás do país vizinho, o Brasil quer importar um volume maior do produto, informou o presidente da companhia de petróleo boliviana YFPB, Guillermo Aruquipa.
 
O acordo foi assinado em fevereiro passado entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Evo Morales. Este acordo determina um reajuste no preço do gás boliviano de US$ 1,09 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), para US$ 4,20, para alimentar a termoelétrica de Cuiabá, no Mato Grosso, ou seja, um aumento de quase 300%.
 
Conforme o combinado, o novo preço deveria ter sido adotado em 15 de maio, como lembrou na data o ministro dos Hidrocarbonetos da Bolívia, Carlos Villegas. No entanto, novos ajustes técnicos adiaram a data.
 
"O preço tinha que mudar para US$ 4,20 por milhão de BTU. Estamos nesse processo, ainda não fechamos o contrato e esperamos fazê-lo nos próximos dias", afirmou Aruquipa ao jornal "La Razón".
 
A condição brasileira para pagar um novo preço do gás a Cuiabá visa garantir uma ampliação do fornecimento de 1,2 milhões de metros cúbicos ao dia para 2,2 milhões, embora La Paz tenha adotado a modalidade de pagamento sem condições, indicou o presidente da YPFB.
 
A Bolívia exporta no total 27 milhões de metros cúbicos de gás para o Brasil, a maior parte destinada aos mercados do sudeste brasileiro, principalmente para o Estado de São Paulo.
 
Segundo a administração Morales, os reajustes nos preços do gás para Cuiabá e de outros componentes, como o diesel e o GLP (gás liquefeito de petróleo), permitirão à Bolívia uma renda adicional de US$ 140 milhões por ano.
 
Funcionários da estatal YPFB disseram que estão negociando com uma equipe técnica brasileira para adotar o acordo com o novo preço.
 
A nova divergência surge no momento em que La Paz e Brasília tentam reduzir as tensões decorrentes da nacionalização dos hidrocarbonetos decretada por Evo Morales em maio de 2006, que afetou os interesses da companhia brasileira de petróleo Petrobras.
 
 
 
 
Mídia Max
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle, do ‘Programa Raul Gil’, se suicida após depressão
FATALIDADE
Bebê morre após ser esquecida pelo pai por três horas dentro do carro
IRRESPONSABILIDADE
Bebê de 1 aninho entra em coma alcoólico após pai dar cachaça com refrigerante
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião