Menu
SADER_FULL
sexta, 18 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Governos de Brasil e Bolívia voltam a discutir preços do gás

25 Mai 2007 - 05h30
Os governos de Brasil e Bolívia voltaram a discutir nesta quinta-feira (24) o novo contrato sobre o reajuste do gás natural exportado para o Estado do Mato Grosso, que deveria ter entrado em vigor no dia 15 de maio.

No entanto, como condição para começar a pagar a mais pelo gás do país vizinho, o Brasil quer importar um volume maior do produto, informou o presidente da companhia de petróleo boliviana YFPB, Guillermo Aruquipa.
 
O acordo foi assinado em fevereiro passado entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Evo Morales. Este acordo determina um reajuste no preço do gás boliviano de US$ 1,09 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), para US$ 4,20, para alimentar a termoelétrica de Cuiabá, no Mato Grosso, ou seja, um aumento de quase 300%.
 
Conforme o combinado, o novo preço deveria ter sido adotado em 15 de maio, como lembrou na data o ministro dos Hidrocarbonetos da Bolívia, Carlos Villegas. No entanto, novos ajustes técnicos adiaram a data.
 
"O preço tinha que mudar para US$ 4,20 por milhão de BTU. Estamos nesse processo, ainda não fechamos o contrato e esperamos fazê-lo nos próximos dias", afirmou Aruquipa ao jornal "La Razón".
 
A condição brasileira para pagar um novo preço do gás a Cuiabá visa garantir uma ampliação do fornecimento de 1,2 milhões de metros cúbicos ao dia para 2,2 milhões, embora La Paz tenha adotado a modalidade de pagamento sem condições, indicou o presidente da YPFB.
 
A Bolívia exporta no total 27 milhões de metros cúbicos de gás para o Brasil, a maior parte destinada aos mercados do sudeste brasileiro, principalmente para o Estado de São Paulo.
 
Segundo a administração Morales, os reajustes nos preços do gás para Cuiabá e de outros componentes, como o diesel e o GLP (gás liquefeito de petróleo), permitirão à Bolívia uma renda adicional de US$ 140 milhões por ano.
 
Funcionários da estatal YPFB disseram que estão negociando com uma equipe técnica brasileira para adotar o acordo com o novo preço.
 
A nova divergência surge no momento em que La Paz e Brasília tentam reduzir as tensões decorrentes da nacionalização dos hidrocarbonetos decretada por Evo Morales em maio de 2006, que afetou os interesses da companhia brasileira de petróleo Petrobras.
 
 
 
 
Mídia Max
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares