Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 14 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Governos de Brasil e Bolívia voltam a discutir preços do gás

25 Mai 2007 - 05h30
Os governos de Brasil e Bolívia voltaram a discutir nesta quinta-feira (24) o novo contrato sobre o reajuste do gás natural exportado para o Estado do Mato Grosso, que deveria ter entrado em vigor no dia 15 de maio.

No entanto, como condição para começar a pagar a mais pelo gás do país vizinho, o Brasil quer importar um volume maior do produto, informou o presidente da companhia de petróleo boliviana YFPB, Guillermo Aruquipa.
 
O acordo foi assinado em fevereiro passado entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Evo Morales. Este acordo determina um reajuste no preço do gás boliviano de US$ 1,09 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), para US$ 4,20, para alimentar a termoelétrica de Cuiabá, no Mato Grosso, ou seja, um aumento de quase 300%.
 
Conforme o combinado, o novo preço deveria ter sido adotado em 15 de maio, como lembrou na data o ministro dos Hidrocarbonetos da Bolívia, Carlos Villegas. No entanto, novos ajustes técnicos adiaram a data.
 
"O preço tinha que mudar para US$ 4,20 por milhão de BTU. Estamos nesse processo, ainda não fechamos o contrato e esperamos fazê-lo nos próximos dias", afirmou Aruquipa ao jornal "La Razón".
 
A condição brasileira para pagar um novo preço do gás a Cuiabá visa garantir uma ampliação do fornecimento de 1,2 milhões de metros cúbicos ao dia para 2,2 milhões, embora La Paz tenha adotado a modalidade de pagamento sem condições, indicou o presidente da YPFB.
 
A Bolívia exporta no total 27 milhões de metros cúbicos de gás para o Brasil, a maior parte destinada aos mercados do sudeste brasileiro, principalmente para o Estado de São Paulo.
 
Segundo a administração Morales, os reajustes nos preços do gás para Cuiabá e de outros componentes, como o diesel e o GLP (gás liquefeito de petróleo), permitirão à Bolívia uma renda adicional de US$ 140 milhões por ano.
 
Funcionários da estatal YPFB disseram que estão negociando com uma equipe técnica brasileira para adotar o acordo com o novo preço.
 
A nova divergência surge no momento em que La Paz e Brasília tentam reduzir as tensões decorrentes da nacionalização dos hidrocarbonetos decretada por Evo Morales em maio de 2006, que afetou os interesses da companhia brasileira de petróleo Petrobras.
 
 
 
 
Mídia Max
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Concursos oferecem mais de 1 mil vagas e salários de até R$ 6,6 mil no MS
NOVA EQUIPE
Bolsonaro intensifica processo de transição esta semana em Brasília