Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 23 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Governo tenta compensar danos pelo câmbio desde 2005

13 Jun 2007 - 04h26
Não é de hoje que o governo Lula acena com ajuda para os setores da economia mais visivelmente prejudicados pelo real valorizado. Em julho de 2005, praticamente dois anos atrás, o então ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, anunciava o estudo de medidas de apoio para os setores calçadista e de confecções, afetados pelo câmbio tanto na ponta exportadora quanto na importadora.

Na época, Furlan não detalhou as medidas, mas indicou que linhas de crédito especiais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para esses setores estariam entre as providências a serem adotadas. O câmbio, então, estava em R$ 2,35.

Em outubro passado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou ao tema e anunciou que criaria uma nova linha de capital de giro para os setores calçadista, têxtil e de móveis, os mais fortemente impactados pela valorização do real, segundo palavras do próprio Mantega. O dinheiro seria disponibilizado pelo Banco do Brasil na forma de FAT Capital de Giro.

O BNDES já havia criado em 2006 uma linha para capital de giro de R$ 600 milhões para o setor calçadista. Mas Mantega admitiu, naquele período, que os recursos não chegavam aos empresários por conta das exigências do agente financeiro, o Banco do Brasil.

Médio e pequeno portes

A dificuldade de acesso aos recursos das linhas especiais continua a ser entrave para as indústrias de médio e pequeno portes. Em abril deste ano, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) anunciou mais uma medida para ajudar esses setores: a elevação de 20% para 35%, na média, da alíquota do Imposto de Importação sobre calçados e confecções. A medida visava proteger essas áreas da forte concorrência internacional, sobretudo dos produtos chineses.

A decisão da Camex teve como base o fato de as importações de confecções terem passado de 45.645 toneladas em 2004 para 60.063 toneladas em 2006, um aumento de 31,6%. Em valores, a variação foi maior, de US$ 172,2 milhões para US$ 396,7 milhões, ou 130,4%, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento. No caso dos calçados, o aumento foi de 6.319 toneladas para 10.929 toneladas (73%) e, em valor, de US$ 65,3 milhões para US$ 140,7 milhões (115%).

As montadoras, que vão desfrutar da redução no prazo de devolução do PIS/Cofins e do Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras anunciados nesta terça, também já tiveram reduzido o custo do financiamento de suas exportações, de 4,5% para 3,8% ao ano, segundo medida anunciada em julho do ano passado pelo então presidente do BNDES, Demian Fiocca. A condição para a obtenção dos recursos era que as empresas mantivessem ou elevassem o número de funcionários.

Também foi ampliado o financiamento para a produção de veículos para exportação, na linha chamada "pré-embarque". O BNDES emprestava até 30% do valor e passou a financiar até 55%. Essa mudança, segundo informou Fiocca na época, veio na esteira do esforço do governo para tentar reduzir o impacto negativo do câmbio sobre as exportações e gerar novos empregos.

 

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Aos 67 anos, Amado Batista assume namoro com jovem de 19 anos de idade
LUTO - TV
Ator Caio Junqueira morre no Rio uma semana após acidente
ANJO DA GUARDA
Amigo dá lar a mulher que viveu 40 anos internada no HC
MAMATA
General corta contratinho de R$ 30 milhões para manter jornalistas no exterior
PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'