Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Governo quer liberar estudo com embrião

27 Jul 2004 - 08h14
Nas negociações para aprovar o projeto da Lei de Biossegurança em agosto, logo depois das férias do Congresso, o Palácio do Planalto já deu sinal verde à proposta que autoriza a utilização de embriões humanos para a obtenção das chamadas células-tronco, que podem se converter em qualquer tipo de tecido humano e representar a cura, no futuro, de doenças genéticas ou degenerativas.

Por pressão de parlamentares evangélicos e da Igreja Católica, a versão do projeto aprovada em fevereiro pela Câmara proíbe a produção de embriões humanos destinados a servir como material biológico disponível --ou seja, passível de manipulação em pesquisas científicas.

Uma emenda a ser apresentada depois do recesso parlamentar pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), com o apoio da cúpula política do governo, autoriza a utilização de embriões para desenvolver células-troco destinadas a pesquisa ou tratamento de doenças ou lesões.

O projeto prevê o uso de embriões produzidos por fertilização "in vitro" para a reprodução e que tenham sido descartados ou estiverem congelados há mais de três anos. É exigida ainda a autorização expressa dos pais biológicos, quando eles puderem ser identificados.

"A fixação desse tempo [três anos] não foi aleatória, mas feita com base em relatórios técnicos internacionais que apontam para o prazo de quatro a cinco anos como limite de tempo de congelamento a partir do qual o grau de segurança de viabilidade total do embrião fica comprometido", alega o senador. A proposta foi elaborada com a ajuda técnica de cientistas.

As pesquisas com células-tronco já foram autorizadas no Japão, na China, na Austrália, na Coréia do Sul e em países da Europa, como Inglaterra e Espanha. No Brasil, enfrentam a forte oposição da Igreja Católica e de parlamentares da bancada evangélica.

A mudança negociada no Senado fará com que o projeto tenha de ser votado novamente pela Câmara. O resultado provavelmente ficará para depois das eleições municipais de outubro.

Na semana passada, o ministro Eduardo Campos (Ciência e Tecnologia) apoiou as pesquisas com células-tronco embrionárias no país na abertura das conferências da SBPC (Associação Brasileira para o Progresso da Ciência) em Cuiabá (MT).

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), ainda estuda a possibilidade de dividir o projeto da Lei de Biossegurança em dois.

A parte que autoriza a próxima safra de soja transgênica e define as regras para licenciamento de sementes geneticamente modificadas seria votada com mais urgência. Com isso, o destino das pesquisas com células-tronco, ainda mais polêmico, poderia ficar indefinido por mais tempo.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico