Menu
SADER_FULL
segunda, 20 de maio de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Governo oferece 12% de reajuste a professores do Estado

3 Ago 2007 - 17h13

Proposta do Governo estadual prevê ganho real de 12% em dois anos aos 18 mil professores a partir de 2008, incluindo-se a incorporação de 60% da regência de classe aos salários. Pelo acordo, que poderá ser fechado na próxima semana, o projeto prevendo reajuste salarial, data-base e incorporação será encaminhado à Assembléia Legislativa em novembro deste ano, segundo o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira.

Esta proposta do governador André Puccinelli (PMDB) provocou a suspensão da paralisação nas escolas estaduais e o protesto em Campo Grande na próxima quarta-feira, 8 de agosto. Ontem à noite, os líderes da categoria apresentaram nova contraproposta ao Governo, na qual reivindicam a incorporação de 80% da regência e mais aumento, que daria ganho real de 21% em dois anos, também a partir de janeiro ou maio do próximo ano.

Até a próxima terça-feira, os trabalhadores dos 78 municípios vão discutir a nova proposta e decidir se aceitam o acordo proposto pelo governador. Segundo Jaime Teixeira, a paralisação e o protesto não foram cancelados, mas suspensos. Caso as negociações não avancem, a categoria planeja manter a mobilização por melhores salários em Campo Grande.

Ganho real

Pela proposta encaminhada pelo Poder Executivo, os professores estaduais terão 60% da regência de classe incorporada aos salários em três fases a partir de 2008, sendo 20 pontos percentuais por ano. Do 100% pago a título de regência hoje, restaria 40% neste item. Com a incorporação da regência, o valor-base dos salários para calcular outras gratificações será maior, o que elevará o rendimento mensal dos docentes.

O Governo se comprometeu ainda a repor a inflação. Conforme os cáculos do presidente da Fetems, o ganho real, descontando o índice inflacionário, será de 12% em dois anos. Para a Fetems, o remanescente da regência deveria ser menor do que 40%.

Para a secretária educacional do Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública, Elza Portela, o movimento sindical não pode arrastar a categoria para paralisação permanente, que considera muito desgastante. "A greve deve ser o último recurso", afirmou. E ainda considerou positivo o ganho real de 12%, principalmente, por considerar que a inflação nos últimos anos não tem superado um dígito. "Com a inflação de 1% a 2% por ano, não tem como chegar a 20%", afirmou Elza. As negociações serão concluídas antes da Conferência Estadual de Educação, que começa dia 8.

 

 

Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

MÁ SORTE
Morador do PR diz ter acertado os números da Mega-Sena acumulada, mas caixa não registra cartão
ATAQUE SUINO
Porca no cio foge de propriedade e ataca homem na rua
TRAGEDIA NA RODOVIA
Colisão frontal entre dois veículos causa duas mortes
IDADE MINIMA
Reforma da Previdência: idade mínima pode ficar menor para professor
CHACINA - PONTO DE DROGAS
Onze são mortos em chacina no bar
MORTE GRIPE A
Criança de 11 meses morre por gripe Influenza
AÇÕES ROSE MODESTO
Rose Modesto quer aumentar pena por feminicídio, Assista a entrevista
SEQUESTRO
Suspeito de manter adolescente em cárcere privado é preso em flagrante
FATALIDADE
Caminhão enrosca em fiação elétrica e provoca morte de idosa em Pérola
DISCUSSÃO FATAL
Em briga de casal, pai arremessou vaso e matou criança de 9 meses