Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 16 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Governo Federal investe apenas 5,6% do Orçamento

3 Jul 2004 - 08h49
Boa parte do superávit primário recorde acumulado pelo setor público no primeiro semestre é conseqüência da forte contenção nos investimentos do governo federal --mesmo em programas classificados como prioritários-- e da arrecadação recorde de tributos ocorrida no período.

Ao todo, o Orçamento da União autoriza o governo federal a fazer investimentos no valor de R$ 12,544 bilhões neste ano. Desse total, o governo federal utilizou apenas 5,57% no primeiro semestre.

Entre janeiro e junho, o setor público (União, Estados e Municípios) economizou, para o pagamento de juros, R$ 13,583 bilhões a mais do que o necessário para cumprir a meta acordada com o FMI (Fundo Monetário Internacional). O superávit primário total foi de R$ 46,183 bilhões durante o período.

O Ministério dos Transportes, por exemplo, tem um dos maiores orçamentos entre os ministérios: está autorizado a investir R$ 2,382 bilhões neste ano. Entre janeiro e junho, porém, foram aplicados R$ 20,215 milhões --ou 0,85% do total orçado.

O Ministério da Saúde, por sua vez, pode destinar R$ 2,596 bilhões a seus projetos. No primeiro semestre, foram liberados R$ 159,9 milhões, o equivalente a 6,16% do total previsto no Orçamento de 2004.

Prioridades

Mesmo projetos classificados como prioridades do governo federal tiveram baixa execução orçamentária entre janeiro e junho. Segundo levantamento feito pela Folha, 40% dos 340 programas prioritários tiveram gasto inferior a 10% de toda a verba reservada a eles em 2004.

O programa de Inclusão Digital, por exemplo, conta com uma verba de R$ 2,150 milhões para este ano. Até o mês passado, nada havia sido efetivamente utilizado.

No caso do Primeiro Emprego (programa para alocação de jovens no mercado de trabalho), foram investidos R$ 441,6 mil, ou 0,2% dos R$ 189,1 milhões que podem ser gastos ao longo de todo o ano de 2004.

Além da contenção de despesas, o superávit primário alcançado pelo setor público também reflete o aumento na arrecadação de impostos.

Só o governo federal arrecadou R$ 155,875 bilhões em tributos entre janeiro e junho, valor recorde para o período.

O governo nega que tenha havido aumento na carga tributária, apesar do crescimento real --já descontada a inflação-- de 8,81% na arrecadação do primeiro semestre, quando comparada com o resultado dos primeiros seis meses de 2003.

Para a Receita Federal, o aumento na arrecadação é reflexo da retomada do crescimento econômico: quanto mais a economia cresce, maiores a renda e os lucros obtidos por famílias e empresas. Logo, mais impostos a serem pagos pelos contribuintes.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante