Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Governo Federal investe apenas 5,6% do Orçamento

3 Jul 2004 - 08h49
Boa parte do superávit primário recorde acumulado pelo setor público no primeiro semestre é conseqüência da forte contenção nos investimentos do governo federal --mesmo em programas classificados como prioritários-- e da arrecadação recorde de tributos ocorrida no período.

Ao todo, o Orçamento da União autoriza o governo federal a fazer investimentos no valor de R$ 12,544 bilhões neste ano. Desse total, o governo federal utilizou apenas 5,57% no primeiro semestre.

Entre janeiro e junho, o setor público (União, Estados e Municípios) economizou, para o pagamento de juros, R$ 13,583 bilhões a mais do que o necessário para cumprir a meta acordada com o FMI (Fundo Monetário Internacional). O superávit primário total foi de R$ 46,183 bilhões durante o período.

O Ministério dos Transportes, por exemplo, tem um dos maiores orçamentos entre os ministérios: está autorizado a investir R$ 2,382 bilhões neste ano. Entre janeiro e junho, porém, foram aplicados R$ 20,215 milhões --ou 0,85% do total orçado.

O Ministério da Saúde, por sua vez, pode destinar R$ 2,596 bilhões a seus projetos. No primeiro semestre, foram liberados R$ 159,9 milhões, o equivalente a 6,16% do total previsto no Orçamento de 2004.

Prioridades

Mesmo projetos classificados como prioridades do governo federal tiveram baixa execução orçamentária entre janeiro e junho. Segundo levantamento feito pela Folha, 40% dos 340 programas prioritários tiveram gasto inferior a 10% de toda a verba reservada a eles em 2004.

O programa de Inclusão Digital, por exemplo, conta com uma verba de R$ 2,150 milhões para este ano. Até o mês passado, nada havia sido efetivamente utilizado.

No caso do Primeiro Emprego (programa para alocação de jovens no mercado de trabalho), foram investidos R$ 441,6 mil, ou 0,2% dos R$ 189,1 milhões que podem ser gastos ao longo de todo o ano de 2004.

Além da contenção de despesas, o superávit primário alcançado pelo setor público também reflete o aumento na arrecadação de impostos.

Só o governo federal arrecadou R$ 155,875 bilhões em tributos entre janeiro e junho, valor recorde para o período.

O governo nega que tenha havido aumento na carga tributária, apesar do crescimento real --já descontada a inflação-- de 8,81% na arrecadação do primeiro semestre, quando comparada com o resultado dos primeiros seis meses de 2003.

Para a Receita Federal, o aumento na arrecadação é reflexo da retomada do crescimento econômico: quanto mais a economia cresce, maiores a renda e os lucros obtidos por famílias e empresas. Logo, mais impostos a serem pagos pelos contribuintes.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação