Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 16 de outubro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Geraldo diz que Justiça vai barrar contratações no HU

30 Jun 2004 - 15h33
 

O deputado Geraldo Resende (PPS) disse hoje que acredita numa decisão favorável da Justiça em relação à ação civil pública com pedido de tutela antecipada para impedir a contratação de funcionários para trabalharem no HU (Hospital Universitário) de Dourados sem a realização de concurso público de provas e títulos. A ação foi proposta pelo Ministério Público, atendendo representação de cinco partidos (PPS, PFL, PSDB, PMDB e PTB).

Segundo Geraldo Resende, é de conhecimento de toda a população que para contratar funcionários, o poder público deve realizar concurso, conforme exige a Constituição Federal, a Constituição Estadual e até a Lei Orgânica do Município. “A justiça não pode concordar com essa ilegalidade”, afirmou o parlamentar, refutando também a tese da supremacia do interesse público, alegada pelo Município.

“A Fundação de Municipal de Saúde e Administração Hospitalar de Dourados, responsável pela gestão do hospital, foi criada em agosto de 2003, portanto há quase um ano, tempo mais que suficiente para a realização do concurso”, salienta. Além da questão da legalidade, Geraldo Resende disse que a contratação pretendida pela Prefeitura é imoral. “Ouvimos muita gente, que nos procurou dizendo que existiam pessoas com bilhetes de políticos ligados à administração municipal, e que teriam preferência no processo seletivo instituído pela Prefeitura”.

Em função disso, o parlamentar disse que a justiça poderá, inclusive, solicitar a relação de filiados do PT e comparar com a lista das pessoas convocadas pela Prefeitura para trabalharem no HU. Outro questionamento que o parlamentar faz é com relação à justificativa da Prefeitura, de que a contratação será temporária (por apenas seis meses), podendo ser renovada por mais seis meses. “E se a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) demorar dois ou mais anos para ser implantada como ficariam esses contratados? Será que o Município vai tentar arrumar uma forma para deixar essas pessoas em definitivo nas funções que seriam temporárias?”, questiona.

Ao reiterar a defesa da legalidade e da moralidade, Geraldo Resende disse que a Prefeitura está fazendo dessa questão uma luta política, inclusive com o prefeito Laerte Tetila citando o nome do deputado em reuniões com servidores, acusando-o de querer impedir a ativação do HU. “Mas a população sabe que isso é mentira, porque fomos nós quem criamos todas as condições para aquele hospital se encontrar nas condições atuais, com a conclusão da obra física e entrega dos equipamentos que lá estão”, salienta o parlamentar, lembrando que o prefeito, na verdade, pretende “que as pessoas esqueçam o que pregamos no passado, quando, juntos, éramos intransigentes na defesa da legalidade e da moralidade pública”. Reiterando sua confiança na Justiça, Geraldo Resende acredita que o judiciário vai determinar que o Município obedeça as leis e faça o concurso público. “Cremos numa decisão favorável, aqui em Dourados ou em outras instâncias”, conclui.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NO JORNALISMO
Morre Gil Gomes, jornalista policial, aos 78 anos, em São Paulo
SELEÇÃO BRASILEIRA
Brasil vence a Argentina com gol de Miranda nos acréscimos e conquista o Superclássico
HORARIO DE VERÃO
Início do horário de verão não será adiado, informa o Planalto
IBOPE PARA PRESIDENTE
Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%
ASSASSINATO
Rapaz agride avós de adolescente que não quis namorar com ele; avó morreu
TRAGEDIA NA RODOVIA
Carro ocupado por sete pessoas se envolve em acidente; cinco morreram
REVOLTANTE
Menina de 11 anos é estuprada por detento ao visitar irmão em presídio
ACIDENTE FATAL
Douradense morre em acidente no RS
REALITY SHOW
A Fazenda 10: Ana Paula é eliminada e se manifesta contra Bolsonaro
FACÇÃO CRIMINOSA
Decapitada por Satã do PCC, jovem morreu por exigir respeito após roubo de chinelo