Menu
RIO_DOURADOS
SADER_FULL
Busca
SUCURI_MEGA
Brasil

Frigorífico Margen confirma demissão em massa

29 Dez 2004 - 07h55
O Frigorífico Margen começou a demitir ontem (28-12) seus 11 mil funcionários, das 21 unidades processadoras em todo o país. Segundo Ney Moura Teles, advogado dos diretores do grupo, os funcionários foram comunicados ontem sobre a demissão e o processo será negociado com o sindicato desses trabalhadores.

Teles disse que todas as demissões poderão ser revertidas, caso a Justiça Federal de Mato Grosso do Sul revogue a prisão dos diretores do grupo, que estão presos desde o dia 1º de dezembro, acusados de sonegação fiscal. O caso estava sendo analisado ontem pela juíza Janete Cabral. Até o fechamento desta edição, contudo, a soltura dos acusados não tinha sido deferida.

Segundo Wagner Cyrne Diniz, gerente comercial do grupo, apenas duas unidades industriais ainda estão abatendo - Paranavaí (PR) e Rondônia -, mas em condições precárias. Na semana passada, a empresa tinha informado que iria demitir 5 mil funcionários, mas voltou atrás. "Fomos protelando a decisão na expectativa de que a Justiça concedesse a liberdade aos diretores do grupo". Diniz afirmou que o grupo registra um prejuízo diário de R$ 300 mil a R$ 400 mil com as fábricas paralisadas.

Ao Valor, duas funcionários da fábrica de Rio Verde (GO) confirmaram que já tinham sido comunicadas que seriam dispensadas. As demissões, segundo Diniz, refletem a ociosidade das plantas. De acordo com Teles, advogado dos diretores, os direitos trabalhistas serão pagos, mesmo que de forma parcelada.

Presos deste o início de dezembro pela Polícia Federal, na chamada operação "Perseu", os diretores do grupo são acusados de sonegar R$ 150 milhões em tributos federais, estaduais e municipais e em dívidas com o INSS. Por conta da prisão dos diretores, as linhas de crédito da empresa foram cortadas. Sem capital de giro, a empresa está sem recursos para comprar o gado para abate. Até novembro, o abate diário era de cerca de 8 mil cabeças.

Para o senador Ramez Tebet (PMDB/MS), "o poder público, o que inclui o judiciário e o executivo, deveria levar em consideração os impactos econômicos e sociais desta decisão". Tebet disse que o Estado do Mato Grosso do Sul, onde a empresa tem cerca de 2,5 mil funcionários, será altamente prejudicado com o fechamento do grupo Margen. "O Estado depende muito da agricultura e pecuária. Os principais frigoríficos estão no Mato Grosso do Sul", afirmou Tebet, que também é pecuarista.
 
Agrolink

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL 2018
Uma previsão do que esperar do ano profissional do Neymar em 2018
BBB 18
Ex-BBB Wagner faz tatuagem de rosa amarela em homenagem a Gleici. Veja!
Novela Global
'O Outro Lado do Paraíso': Gael depõe contra a mãe, Sophia, em julgamento
O Apocalipse
Oziel (Castrinho) fica abalado ao ouvir as Duas Testemunhas do Apocalipse
Em cima da hora
Policiais impedem estupro de garota, veja o vídeo
Natalidade
Bebê “apressadinho” nasce dentro de carro com ajuda de agentes
Novinha
Carlos Alberto da "Praça é Nossa" vai se casar em junho com nutricionista 44 anos mais jovem
LOTERIAS NO BRASIL
Você conhece as loterias do Brasil?
Novela
Com ciúme, Neymar lamenta volta de par romântico de Bruna Marquezine à novela das sete
Famosidades
Michel Teló cancela gravação de programa depois de passar mal