Menu
SADER_FULL
sexta, 23 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Força-tarefa do MPE investiga gastos com mídia no governo Zeca

9 Mai 2007 - 05h50
O Ministério Público Estadual (MPE) deverá criar força-tarefa, formada por três promotores, para investigar a "versão sul-mato-grossense do ‘Valerioduto’", como passou a ser definida a farra nos gastos com comunicação e propaganda nos últimos quatro anos da gestão de José Orcírio Miranda dos Santos (PT). Ao receber a gravação com as acusações feitas pela ex-funcionária pública Ivanete Leite Martins, o promotor de Defesa do Patrimônio Público e das Fundações, Marcos Antônio Martins Sottoriva, anunciou a instauração de inquérito civil e procedimento criminal contra 100 pessoas – incluindo-se o ex-governador, ex-secretários e outros agentes políticos – acusadas de improbidade administrativa, peculato e apropriação indébita do dinheiro público.

Ontem à tarde, o empresário Adair de Oliveira Martins, proprietário do jornal Diário do Pantanal, entregou o DVD com o depoimento gravado de Ivanete Martins. Nos 58 minutos de gravação, ela faz acusações, apresenta recibos e documentos com assinaturas, para comprovar o pagamento de "por fora" para aproximadamente 100 agentes públicos.

De acordo com Sottoriva, o teor da gravação é grave, uma versão pantaneira do esquema montado pelo empresário Marcos Valério, denominado "Valerioduto", para desviar dinheiro público de empresas estatais federais. A denúncia de Ivanete Martins, conforme o promotor, confirmou as desconfianças do Ministério Público. Desde 2005, a promotoria vinha acompanhando e fiscalizando os gastos de José Orcírio com publicidade. Ele disse que esta área sempre foi usada para o desvio de dinheiro público.

Forta-tarefa

Por causa da à gravidade da denúncia, Marcos Sottoriva anunciou a abertura de duas linhas de investigação. O inquérito civil vai apurar a improbidade administrativa. Já o procedimento criminal apurará peculato e apropriação indébita de dinheiro público.

Ela solicitará à Procuradoria-Geral de Justiça a designação de dois promotores criminais para reforçar a investigação. Técnicos e especialistas também serão solicitados para ajudar na devassa na documentação a ser encaminhada por Ivanete Martins e pelo Governo estadual. O MPE deverá pedir ainda a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos acusados para comprovar as acusações feitas pela ex-funcionária pública. O promotor prevê um processo moroso. Contudo, graças à repercussão da denúncia, ele tentará agilizar o andamento. Ivanete Martins deverá ser convocada para prestar depoimento, no máximo, até a próxima semana.

A denúncia

Conforme Ivanete Martins, que era responsável pelo pagamento das agências de publicidade e jornais, José Orcírio "torrou" R$ 122,5 milhões com mídia entre 2003 e 2006. Conforme denúncias publicadas pelo Diário do Pantanal, o valor do "por fora" oscilava entre 5% e 10% do montante pago às agências de publicidade.

Único a falar em nome do Governo de José Orcírio, o deputado estadual Paulo Duarte desmentiu a ex-assessora e negou todas as acusações. Ele chegou a pedir ao MPE para investigar a denúncia. Ele destacou que todos os gastos foram aprovados pelo Tribunal de Contas.
 
 
Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção