Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Força Sindical prevê redução do tráfico nas fronteiras de MS

30 Ago 2010 - 13h11Por Fátima News

A central sindical prevê também que com menos armas e drogas passando pelas fronteiras, haverá mais segurança em todo o Brasil

 

O tráfico de armas e de drogas do Paraguai e da Bolívia, que passam por Mato Grosso do Sul, uma das principais rotas desses crimes, vai reduzir drásticamente com a lei que cria o Estado Maior das Forças Armadas, sancionada pelo presidente Lula na quarta-feira (25) e que dá poder de polícia às Forças Armadas. “Essa é uma das principais mudanças da lei. Ela autoriza, por exemplo, o Exército a revistar pessoas e veículos, fazer patrulhamento e até prisões em fragrante delito”, avalia Idelmar da Mota Lima, presidente da Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul.

 

Idelmar, que preside também a Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul – Fetracom/MS, entidade que representa mais de 100 mil trabalhadores no Estado, diz que a segurança das famílias, tanto na região de fronteira como em todo o País será melhor pois com essa “força policial” das Forças Armadas haverá maior apreensão de drogas e armas que entram livremente no Brasil passando pelas grandes extensões de fronteira seca que o Brasil faz com vários países vizinhos (Guiana Francesa, Suriname, Guiana, Venezuela, Colômbia, Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai).

 

Só Mato Grosso do Sul, por exemplo, a fronteira seca com a Bolívia e Paraguai somam 753 quilômetros de extensão. Sendo que só com o Paraguai, são 434 quiômetros e 319 quilometros com a Bolívia. “É uma região muito extensa para fiscalização apenas das polícias civil, militar e federal”, explica o presidente da Força Sindical.

 

“O uso das forças armadas nessa tarefa conter o crime na fronteira de Mato Grosso do Sul é um sonho antigo do povo sulmatogrossense”, explica Idelmar que comemorou primeiro a aprovação da lei pelo Congresso Nacional e agora a sansão do presidente Lula na semana passada.

 

A nova lei ainda reforça o poder do ministro da Defesa ao dar a ele o poder de indicação dos comandantes das Forças Armadas, hoje sob responsabilidade do presidente da República.

 

SEGURANÇA PÚBLICA- O presidente da Força Sindical e presidente da Fetracom disse que as famílias que vivem na região de fronteira convivem constantemente com a insegurança em função da ação de bandidos. Ele tem recebido inúmeros relatos de comerciários que trabalham em municípios na faixa de fronteira com os dois países (Bolívia e Paraguai) no lado sulmatogrossense e o temor pela falta de segurança é muito grande. Idelmar acredita que as coisas vão melhorar muito a partir do pleno vigor essa nova lei.

 

O sindicalista explica que é pela fronteira seca que entram muitos dos armamentos que vão parar nas mãos de grupos como o Comando Vermelho e o PCC, ambos, com “filiais” nas regiões de Pedro Juan Caballero (fronteira com Ponta Porã) e Capitán Bado (fronteira com Coronel Sapucaia).

 


Além do tráfico, a possibilidade de que os militares atuem com poder de polícia deve servir, também, para inibir outras atividades ilegais fronteiriças, como o contrabando e o roubo de carros. No caso do contrabando, um dos focos da repressão seria o cigarro trazido ilegalmente do país vizinho. “Vamos aguardar e torcer para que as mudanças se realizem e que tenhamos um Mato Grosso do Sul e um Brasil, de maneira geral, mais seguros”, comentou Idelmar.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico