Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Filho de Renan comprou rádio após doação do pai

23 Ago 2007 - 10h00

O dinheiro usado por Renan Calheiros Filho -conhecido como Renanzinho- para se tornar sócio majoritário do Sistema Costa Dourada de Radiodifusão e montar a Correio Gráfica é do seu pai, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), de acordo com documentos aos quais a Folha teve acesso.

Ou seja, o presidente do Senado financiou os dois negócios da família. Informada do fato, a assessoria do senador não se manifestou até a conclusão desta edição.

Do ponto de vista fiscal, aparentemente a transação é lícita. Mas auditores ouvidos pela Folha entendem que a operação tem indícios de ter sido montada para ocultar a origem dos recursos empregados. A suspeita é investigada pelo Conselho de Ética e pela Corregedoria do Senado. A declaração de Imposto de Renda de Renanzinho é o primeiro documento oficial a ligar o senador Rena Calheiros diretamente à compra de uma rádio.

Desde o começo do mês que o senador é bombardeado com denúncias de ter usado laranjas na compra de empresas de comunicação em Alagoas. O usineiro João Lyra afirma que Renan entrou numa sociedade com ele no grupo O Jornal, mas pondo a empresa no nome de seu assessor parlamentar Carlos Santa Ritta.

Posteriormente, segundo Lyra, o grupo foi dividido entre ele e o senador. O usineiro diz ter ficado com o jornal e Renan, com as rádios do grupo. Na cisão, de acordo com documentos entregues por Lyra ao corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), Santa Ritta transferiu sua participação na empresa para Renan Calheiros Filho.

Segundo o usineiro, Renan Calheiros também é o verdadeiro dono da Costa Dourada Radiodifusão. Em sua defesa, o senador nunca mencionou o fato de ter bancado a participação de seu filho na negociação do sistema de rádio.

Em 2005, Renanzinho comprou 40% do Sistema Costa Dourada, por R$ 40 mil, e entrou com 16% da Correio Gráfica (equivalente a R$ 150 mil), montada com capital de R$ 900 mil. Naquele ano, o senador doou R$ 140 mil ao filho. Renan informou no Imposto de Renda a doação ao filho. Renanzinho declarou o recebimento da doação, mas não mencionou a origem do dinheiro.

No caso da gráfica, Renanzinho desembolsou R$ 75 mil em 2005 e se comprometeu a integralizar mais R$ 75 mil no ano seguinte. Em 2006, seu pai lhe doou os R$ 75 mil. Não fosse o dinheiro do pai, Renanzinho não teria condições financeiras de entrar nas sociedades.

Em 2005, Renanzinho teve renda líquida de R$ 55,4 mil, como prefeito da cidade de Murici (AL). Comprou uma camionete de luxo pagando R$ 45,28 mil, além de assumir prestações por vencer. Terminou o ano com bens no valor de R$ 235,28 mil (R$ 150 mil da gráfica, R$ 40 mil da rádio, mais o automóvel) e uma dívida de R$ 82,268 mil, sendo R$ 75 mil do capital a integralizar da rádio e um "buraco" no cheque especial de R$ 7.268,40.

Sem a doação do pai, Renanzinho teria empatado 81,7% de sua renda líquida inteira com o carro, sobrando R$ 10 mil para custear todas as suas demais despesas no ano. Um ano antes, em 2004, Renanzinho havia declarado como seu único bem um automóvel Golf 2001. Até 2004, o Senador só havia declarado doação a seus filhos para custeio de estudos

Fazendas

Além de Santa Ritta, o usineiro João Lyra acusou Ildefonso Tito Uchôa, primo de Renan, de também ter atuado como laranja do presidente do Senado nas rádios. Uchôa é sócio com Renanzinho tanto na gráfica quanto na rádio Costa Dourada. Conforme a Folha publicou há duas semanas, dois ex-proprietários de terras de Alagoas apontaram Uchôa como espécie de testa-de-ferro de Renan Calheiros na transação de fazendas em Alagoas.

Renan declarou ter comprado de Uchôa, em 2004, a Fazenda Alagoas por R$ 400 mil. Mas Uchôa não informou ao fisco nem a posse nem a venda da fazenda naquele ano, o que reforça as suspeitas de que a propriedade na verdade pertence a Renan Calheiros. Benedito Vieira da Silva, disse à Folha que havia vendido a fazenda para Uchôa em 1998 por R$ 600 mil.

A reportagem deixou recado na casa de Uchôa, mas ele não ligou de volta.

Folha de S.Paulo

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos