Menu
PASSARELA
domingo, 22 de julho de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Fila dos transplantes dobra nos últimos 5 anos em MS

26 Nov 2004 - 15h50
O número de transplantes de órgãos em Mato Grosso do Sul tem apresentado redução, comparado ao ano passado, enquanto a fila de pessoas à espera de um órgão vem aumentando. Em cinco anos, o número de pacientes aguardando por um rim, por exemplo, passou de 150 para 308.
Segundo a Central de Transplantes, até 25 de novembro, foram 29 operações de rim no Estado, nem a metade dos 61 procedimentos feitos nos 12 meses do ano passado. Uma diminuição de 52%.
O dado é preocupante, uma vez que em 2003 o Mato Grosso do Sul foi o primeiro Estado do País em transplantes de rim. A queda neste ano é estendida também ao transplante de coração, por exemplo, que não teve qualquer cirurgia neste ano. Em 2003, houve um.
De córnea houve um aumento; foram feitos 147 transplantes neste ano, contra 118 no ano passado. Em 2002, foram apenas 56.
Segundo a coordenadora estadual da Central de Transplantes, Claire Miozzo, os números ainda não estão fechados, mas já é possível observar algumas reduções. Se por um lado, os transplantes de córneas já aumentaram, houve redução dos casos de rim. Neste caso, para a coordenadora, se deve ao baixo número de doador cadáver e aos pouco doadores vivos.
Enquanto diminuem-se os transplantes, a fila de pacientes continua. Atualmente, 64 pessoas esperam pela doação de córnea, 17 estão na vaga por coração e 308 aguardam um rim no Estado.
Em novembro do ano passado, eram 270 esperando um transplante de rim. Em outubro de 1.999, quando foi implantada a Central de Transplantes, havia uma fila de 175 esperando por coração, córnea ou rim, sendo 151 para este último. Hoje, são 389 na fila do transplante.
Claire Miozzo explica que a maior dificuldade é em relação aos pacientes renais, que são submetidos à hemodiálise três vezes por semana.
A rotina sofrida é vivida por Márcia Vanderléia Antunes, de 27 anos, há quatro anos. A atendente teve que deixar o emprego e passa parte de sua vida na Santa Casa de Campo Grande.
Casada e mãe de uma menina de 9 anos, Márcia lamenta as mudanças na sua vida: “Não podemos nem viajar mais”. Ela descobriu a doença quando começou a sofrer inchaço e ter a pressão alta.
A jovem já fez os exames de compatibilidade com diversos familiares, que se dispuseram a doar o rim, mas não foi bem sucedida. O mesmo acontece com Zeferina Rodrigues Ribeiro, de 39 anos. Para ela, a hemodiálise tem sido bastante dolorida e já lhe causou necrose no braço. “De tanto amarrar, o braço foi necrosando”, lamenta a paciente, que também está na fila há quatro anos.
 
 
 
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO BELO RESORT - PROMOÇÃO
Campo Belo Resort com promoção especial de 22 a 31 de julho, CONFIRA
NOVELA GLOBAL
Em 'Segundo sol', Karola descobre o paradeiro de Luzia e chantageia a DJ: Beto ou cadeia?
ACIDENTE FATAL NO BEACH PARK
Acidente no Beach Park, veja como é o brinquedo 'Vainkará' que matou turista
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Fátima do Sul: O Boticário lança linha de cuidados masculinos e mostra que homens também se cuidam
ACIDENTES NAS ESTRADAS
Acidente grave: nove caminhões e um morto na BR-376
POLEMICA
Transexual é retirada algemada de banheiro público feminino em Araruama
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Remy agarra Luzia e Ícaro salva a mãe de ser estuprada
TURISMO PELO BRASIL E MUNDO
Indústria de Hotéis aguarda aprovação dos jogos para captar bilhões em produtos turísticos
AGORA EM DOURADOS - MS
UNIPAR EAD com cursos de Educação Física, Letras, Marketing e mais 22 cursos, Confira todos aqui
TRAGEDIA
Acidente chocante em Foz: casal morre na hora em batida