Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 15 de agosto de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Família Denadai realizam o 1º Encontro em Glória de Dourados

21 Ago 2004 - 11h04
Neste final de semana, sábado e domingo, Glória de Dourados será palco do 1º Encontro da Família Denadai, que acontecerá na sede do Defap (Departamento de Fomento Agropecuário de Glória de Dourados). Segundo Osvaldo Denadai, descendente e um dos organizadores, o evento estará reunindo parentes que residem nos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Pará e São Paulo. “Aqui do Estado, já estão confirmados os parentes das cidades de Glória de Dourados, Dourados, Campo grande e Naviraí”, comenta Osvaldo.
O encontro terá início às 8h, de sábado, 21, com a recepção aos participantes e o reencontro de familiares. Na seqüência, a história da família Denadai, italiana de origem. Para o meio-dia, está marcado um almoço de confraternização, também nas dependências do Defap. No período da tarde, a continuidade as reuniões e, conforme explica Osvaldo, “quando todos nós estaremos colocando as estórias em dia”. À noite, a partir das 19h, será servido um jantar típico aos presentes.
No domingo, às 8h, será oferecido um café da manhã. Às 10h, o frei Rogério, da Ordem Franciscana de Dracena (SP), estará ministrando uma missa no auditório do Defap. Ao meio-dia, o almoço de despedida, seguido do encerramento do evento.
1º ENCONTRO
O 1º Encontro da Família Denadai nasceu da idéia de reunir os parentes, atualmente, distribuídos em vários estados brasileiros. A iniciativa foi dos “herdeiros” Osvaldo Denadai, Valdir Trevisan, Erondina Denadai e Terezinha Januário da Silva.
Osvaldo conta que, durante um “bate-papo” informal entre os quatro, surgiu o interesse de promover uma reunião familiar, quando todos os descendentes pudessem estar presentes. “Somos uma família muito grande e, a maioria, está distante geograficamente”, comenta o mais velho dos irmãos de Glória de Dourados”, justificando que, “ a saudade e a vontade de rever parentes nos motivou a organizar este encontro”.
Em razão do casamento das mulheres Denadai, as quais herdaram sobrenomes dos maridos, no encontro também estarão as famílias Trevisan, Marchioni, da Silva e Ferrari.

Pioneiro Nono João, “bona gente”
A família Denadai, de Glória de Dourados, tem um patriarca estimado pelos filhos, netos, amigos e a comunidade em geral: João Denadai, 78 anos. Natural de Urupês (SP), “nono” João (avô em italiano) é filho de Valentin Denadai e Santa Covre, imigrantes que chegaram da Itália, por volta de 1887. O pai veio de Trevizzo, com sete anos, e a mãe de Pádua, com apenas um ano de idade.
Na época, iludidos pelas promessas de “datas” (doações de terras pelo governo, através de um tratado assinado com a Itália), chegaram ao porto de Santos (SP). A família Denadai foi trabalhar de peão em uma lavoura de café, no município de Limeira (SP). O casal teve 11 filhos - (apenas João e três irmãs permanecem vivos).
Seo João casou, a primeira vez, com Ermelinda Donega Denadai (falecida em 1963) com quem teve sete filhos: Osvaldo, Benilde, Paulino, Erondina, Mauro, Carlos e Maria Santina (falecida). Atualmente, tem 13 netos e três bisnetos.
Sempre trabalhando como produtor rural, em 1964, seo João foi eleito vereador na cidade de Dracena (SP), permanecendo por três mandatos consecutivos. “Naquela época, a gente fazia política por amor e por interesse de contribuir com o município e a população em si, completamente o inverso de hoje”, lembra “nono”. Em 1967, casou pela segunda vez, desta vez com Antonia Genil Fomagalli, na época viúva e mãe de dois filhos (Sônia e Sebastião Geraldo, o Tião do Mercado).
Em 1973, João Denadai adquiriu 130 alqueires em Glória de Dourados e 50 em Jateí, mandando para cá, primeiramente, o filho Osvaldo (mais velho). O pai veio mais tarde, em 1982. Aqui, a família derrubou mato, formou fazenda, plantou e criou gado. Seo João foi pioneiro na construção de silo (silagem de milho) e construção de curva de nível (terraço contra erosão). Trouxe os primeiros exemplares de gado de leite e responsável pelo fornecimento de “tourinhos” da raça holandesa aos produtores da região. Ele recorda que a primeira ordenhadeira mecânica do município foi adquirida por ele, despertando o interesse nos demais produtores de leite.
Firme em suas decisões e por ora temperamental (característica do povo italiano), “nono” João concede entrevista ao Diário MS “fechando” um cigarro de fumo em corda e sempre de olho no trabalho de um triturador de cana (máquina elétrica). Na parada para um café, junto ao fogão à lenha (caipira), “nono” se diz um homem realizado, feliz com a família e, embora comente sobre a idade, com uma memória invejável. “Moço, nunca sentei num banco escolar, mas leio e escrevo por força de vontade”, argumenta, justificando que, “aprendi que não se deve comer pelas mãos dos outros”. Finalizando, ele afirma que pessimismo é uma palavra que não conhece, “pois não devemos maldizer da escuridão, mas sim acender uma vela”. Cláudio Xavier.
 
 
Diário MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2018 - REGISTRO FEITO
AGORA: PT registra candidatura de Lula e tem até 17 de setembro para trocar candidato
BRIGA DE FAMILIA
Briga de irmãos termina com faca cravada na cabeça de jovem adolescente
NOVELA GLOBAL
Em 'Segundo sol', Zefa rompe com Severo: 'Você não merece nada de bom de mim!'
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Roberval é traficante de diamante
NOVELA DA RECORD
Herodíade diz que foi agarrada por Batista e Joana a chama de mentirosa.
ESTUPRO VULNERÁVEL
Criança desabafa com amiga de classe que era estuprada por padrasto; ele está foragido
CABRA MACHO
Exigência de masculinidade: edital de concurso da PMPR causa polêmica
FAMOSIDADES
Silvio Santos reclama da filha: 'Patrícia não faz nada e ganha um belo salário'
BELEZA
Piauiense que venceu Miss Brasil Mundo 2018 diz que já passou fome e teve preparação forte
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Beto pede separação a Karola e vilã finge aceitar